Papa convida a rejeitar «pequenos ídolos» do poder e da riqueza

Francisco preside à Missa no Dia de Reis e evoca exemplo de quem procurou o Menino Jesus em Belém, longe dos luxos

A Adoração dos Magos - Domingos Sequeira (1828)
Cidade do Vaticano, 06 jan 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco presidiu hoje à Missa do Dia de Reis, no Vaticano, e disse que o exemplo destas três figuras deve levar os cristãos a rejeitar os “pequenos ídolos” e procurar Jesus onde menos se espera.
“Estes são os esquemas mundanos, os pequenos ídolos a quem prestamos culto: o culto do poder, da aparência e da superioridade. Ídolos que prometem apenas tristeza e escravidão”, declarou, na homilia da celebração que decorreu na Basílica de São Pedro.
O Papa elogiou os Magos que “tiveram a coragem de caminhar e, prostrando-se diante do pequenino, prostrando-se diante do pobre, prostrando-se diante do indefeso, prostrando-se diante do insólito e desconhecido Menino de Belém, descobriram a Glória de Deus”.
O cristão que imita os Magos, acrescentou, vai “à periferia, à fronteira, aos lugares não evangelizados”, para poder encontrar-se com “o seu Senhor”.
Estes homens, que foram de “terras distantes” ao encontro de Cristo, souberam “ver e adorar”, precisou, porque estavam abertos à novidade.
“Os Magos dão-nos, assim, o retrato da pessoa crente, da pessoa que tem nostalgia de Deus; o retrato de quem sente a falta da sua casa: a pátria celeste”, realçou.
Esta “nostalgia santa”, sublinhou Francisco, representa a “a memória crente que se rebela contra tantos profetas de desgraça” e mantém viva a esperança.
“Impelido pela sua fé, o crente «nostálgico» vai à procura de Deus, como os Magos, nos lugares mais recônditos da história, pois está seguro, em seu coração, de que lá o espera o seu Senhor”, precisou.
Pelo contrário, o palácio de Herodes, que distava poucos quilómetros de Belém, era marcado pelo sono de quem dormia “sob a anestesia duma consciência cauterizada” e ficou perturbado perante a notícia do nascimento de Jesus.
“É a perturbação que nasce no coração de quem quer controlar tudo e todos; uma perturbação própria de quem vive imerso na cultura que impõe vencer a todo o custo, na cultura onde só há espaço para os «vencedores» e a qualquer preço”, explicou o Papa.
Francisco desafiou todos a descobrir este “Rei desconhecido” que “não humilha, não escraviza, não aprisiona”.
“Descobrir que o olhar de Deus levanta, perdoa, cura. Descobrir que Deus quis nascer onde não o esperávamos, onde talvez não o quiséssemos; ou onde muitas vezes o negamos. Descobrir que, no olhar de Deus, há lugar para os feridos, os cansados, os maltratados e os abandonados: que a sua força e o seu poder se chamam misericórdia. Como é distante, para alguns, Jerusalém de Belém”, assinalou.
Durante a cerimónia, seguindo a tradição, foi anunciada a data da Páscoa deste ano (16 de abril) e as festas litúrgicas que lhe estão associadas.
A Epifania, palavra de origem grega que significa ‘brilho’ ou ‘manifestação’, celebra-se sempre a 6 de janeiro nos países em que é feriado civil; nos outros países, assinala-se no segundo domingo depois do Natal, como acontece em Portugal, no próximo dia 8.
OC

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU