A cidade das avós

Ilustração de quadrinhos Nós somos todos bons
Ilustração do quadrinho Estamos todos bem 
A cidade que diz a uma criança nunca é a mesma que a cidade que conta com um velho. O primeiro geralmente coincide com a descoberta, independentemente de como essa cidade é. O segundo tende a se apressar em desencanto e perda. Raramente há descobertas nas cidades dos idosos, embora, como Baudelaire escreveu, "a forma de uma cidade muda mais do que o coração de um mortal".
A ilustradora Ana Penyas (Valência, 1987) vem desenhando há anos, isto é, analisando, investigando e examinando sua cidade. Ele atraiu a invasão de turistas ( Procurando por um site ), o tecido social das cidades ( Meus vizinhos ) ou o pequeno comércio que nada entre as duas águas do perigo de extinção e sua conversão em relíquia falsa ( Ultramarinos Turia ). Em seu último trabalho, o romance gráfico intitulado, com ecos do filme de Giuseppe Tornatore, todos somos bons, desenhou e escreveu sobre o regime de Franco, sobre a solidão, sobre as mudanças no campo da cidade e sobre a esperança e o desespero nas áreas urbanas de Alcorcón e Valência. E ele fez isso colocando-se nos olhos de suas avós Maruja e Herminia. São aquelas histórias femininas, tradicionalmente consideradas contextuais ou secundárias, que dão vida ao quadrinho que foi feito com o Prêmio Internacional de Novela Gráfica Internacional FNAC-Salamandra Graphic.
Por Somos todas mulheres bem desfiladas capazes de avançar uma família de cinco filhos e cinco crianças incapazes de cuidar de uma mãe. Parada de desprezo para aqueles que não tiveram acesso a uma educação por membros da família que têm alguém que tem acesso ao ensino superior, e isso mostra que a educação não é contagiosa. Dentro das casas destaca-se a empresa fiel e sonora que oferece a televisão e o consolo dos mesmos males nos bares e nos terraços do bairro.
É nesses momentos de pausa e solidão e nas cenas de quadrados públicos e bancos solitários, quando a vida urbana é tão semelhante à do povo. E é mais do que contar a história de suas avós, ou o momento da transição, Ana Penyas contornou uma série de anedotas que evocam e retratam esse tempo. Uma época em que, para uma família trabalhadora, qualquer cidade espanhola parecia uma cidade (a juventude de suas avós) e um tempo (a velhice da mesma mulher) em que, para qualquer pessoa idosa, a vida dentro de sua casa é tão importante quanto o que você pode ver na janela. No final, se você não construiu um mundo interno ao longo dos anos, se você não desenvolveu entusiasmo e passatempos, são as possibilidades que você tem para ir a falar ou reclamar ao bar ou ao banco da praça.

El País

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU