Fundação Edson Queiroz realiza mostra de arte


Arte
Pintura "Balões" (1947), de Alberto da Veiga Guignard: obra integra exposição que vai para Roma
Já conhecida nacionalmente pela qualidade e abrangência de sua coleção, o acervo de obras de artes da Fundação Edson Queiroz tem conquistado o público europeu. Depois de ter passado por Portugal, uma seleção de 76 trabalhos poderá ser vista na Itália, a partir do dia 1 de março.
"Arte Moderna in Brasile - Collezione della Fondazione Edson Queiroz" (Arte Moderna no Brasil - Coleção da Fundação Edson Queiroz) será exposta no prédio da Embaixada do Brasil, em Roma. Construído no século XVII, o Palácio Pamphilj é uma das mais belas construções do conjunto arquitetônico da Piazza Navona, uma das praças mais célebres da cidade. A exposição fica em cartaz no local, aberta ao público, até o dia 5 de maio de 2018.
No Palácio Pamphilj, em Roma, a visitação pode ser feita de terça-feira a sábado, das 10h às 18h. As mostra será montada em dois espaços da embaixada, a Galeria Candido Portinari e a Biblioteca Tullio Ascarelli, na Embaixada. A exposição conta com o patrocínio do Sistema Verdes Mares e Valgroup.
Importância
A coleção da Fundação Edson Queiroz é um dos acervos de arte moderna mais importantes do País e o maior ligado a uma universidade privada brasileira. A mostra em Roma é mais uma contribuição da instituição para a divulgação da arte brasileira no exterior.
"Sinto que esta exposição é de muita importância não só para a Unifor (Universidade de Fortaleza) e para a Fundação Edson Queiroz, mas para o Estado do Ceará e o Brasil, porque trouxemos 76 importantes obras do modernismo brasileiro para um continente que transpira arte", destaca a presidente da Fundação Edson Queiroz, Lenise Queiroz Rocha. "Levamos para a Europa um recorte importante do acervo da Fundação Edson Queiroz, com artistas que representam bem a arte moderna brasileira", salienta o chanceler da Unifor, Edson Queiroz Neto.
Itinerância
"Arte Moderna in Brasile - Collezione della Fondazione Edson Queiroz" faz parte de uma programação itinerante da coleção, que acontece desde 2015. Mostras abrangentes, evidenciando o modernismo brasileiro, passaram por São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro. Abrindo as portas para as exposições internacionais, as obras ficaram expostas no Museu Coleção Berardo (o mais visitado em Portugal), em Lisboa, entre os dias 21 de outubro de 2017 e 11 de fevereiro deste ano.
"Quando levamos a exposição para Portugal, tínhamos o interesse que essa parte da excursão da coleção continuasse em itinerância pela Europa. Entramos em contato com a Embaixada do Brasil na Itália, que tem um excelente espaço para exposição de artes, e conseguimos mantê-la no continente europeu", explica Randal Pompeu, vice-reitor de extensão da Unifor.
Modernismo
Dividida em seis partes, a exposição segue uma ordem cronológica e dá oportunidade ao público de fazer a relação entre a trajetória dos artistas e o contexto histórico-artístico. As obras contemplam desde a primeira geração modernista, ligada ao grupo radicado em São Paulo que promoveu a Semana de Arte Moderna de 1922, até o trabalho de artistas que levaram adiantes o impulso inovador desta vanguarda. Inclui os modernistas das gerações de 1930 e 1940 e os representantes dos abstracionismos geométrico e informal.
A lista de artistas é extensa, e inclui nomes destacados como Alberto da Veiga Guignard, Alfredo Volpi, Amilcar de Castro, Anita Malfatti, Candido Portinari, Cícero Dias, Emiliano Di Cavalcanti, Ernesto de Fiori, Frans Krajcberg, Franz Weissmann, Hélio Oiticica, Iberê Camargo, Ione Saldanha, Ismael Nery, Ivan Serpa, José Pancetti, Lasar Segall, Lygia Clark, Maria Martins, Mira Schendel, Samson Flexor, Tomie Ohtake, Vicente do Rego Monteiro, Victor Brecheret e Willys de Castro. Dois nomes incontornáveis das artes cearenses também têm obras na exposição: Antonio Bandeira e Sérvulo Esmeraldo.

Mais informações:
Exposição "Arte Moderna no Brasil - Coleção da Fundação Edson Queiroz". Em cartaz de 1º de março a 5 de maio, das 10h às 18h. Na Galeria Candido Portinari e Biblioteca Tullio Ascarelli da Embaixada do Brasil em Roma (Palazzo Pamphilj, Piazza Navona 10, 00186 Roma, Itália). Contato: +39 06 683981 ou pelo site: roma.itamaraty.gov.br

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Assunção: Deus recorre aos humildes

Filme luso-brasileiro com índios Krahô vence Festival de Cinema de Lima

Evento em São Paulo discute as questões do homem contemporâneo

Parabéns, Padre Geovane!

1º Festival de Literatura do Sertão do São Francisco vai homenagear escritor de Petrolina, PE