Lançamento do livro "O conto da cidade de cristal" acontece hoje na Capital

por Dellano Rios - Editor de Área

Os feitos acadêmicos de Tereza de Castro Callado já contabilizam algumas décadas. Professora de Filosofia na Universidade Estadual do Ceará (Uece), é uma pesquisadora ativa às voltas com questões sobre ética, política e modernidade. Especialista em um dos mais influentes pensadores alemães do século XX, é autora do livro "Walter Benjamin - A experiência da origem" e, desde 2008, edita o periódico acadêmico Cadernos Walter Benjamin.
As referências à sua produções intelectual fazem da leitura "O conto da cidade de cristal" uma espécie de jogo, com pontes entre um universo e outro que, nem sempre, se estendem por onde se espera. Publicado pela Escrituras, de São Paulo, em um pequeno e luxuoso volume de exatas 80 páginas, o conto será lançado neste sábado, 14, às 18h30, na Livraria Leitura, no Shopping Del Paseo. A edição conta um texto introdutório da doutora em literatura Sarah Diva Ipiranga.
Viagem
Talvez o título do livro, "O conto da cidade de cristal", remeta o leitor a universos fantásticos, distantes de nossas referências culturais - algo que se converteu, neste começo de milênio, em um demorado filão comercial na literatura e no cinema.
Não é o caso, ainda que a variável "fantasia" esteja presente no conto. Ao leitor, é oferecido perder-se por searas que não são as da realidade ordinária da vigília. Mas as veredas para as quais a autora convida o leitor estão inegavelmente inscritas em nossas geografias, física e cultural, literária e memorialística.
O ponto de partida da ação é um encontro, dos personagens João e Zequinha. Criados no sertão, com incontáveis dias de meninice partilhados, por vezes tão semelhantes que só o destino parece ter sido capaz de dar a cada um a individualidade. Adultos, os amigos voltam a se reunir, um tendo ficado no sertão (que por suas artes se torna mais verde do a imagem mais evocada daquela paisagem); o outro foi à cidade, descobriu outras vidas e cometeu outras artes.
O caminho familiar dos amigos é uma espécie de antecâmara. Espera o leitor uma aventura por território inusitado. A autora cria mais um daqueles lugares que são, a um só tempo, espaço e experiência.
Há algo das viagens da menina Alice, pelo País das Maravilhas e pelo outro, que se esconde por trás do espelho, dos livros do inglês Lewis Carroll; e mesmo dos contos de terror do galês Arthur Machen (ainda que a prosa de Tereza de Castro Callado não trilhe os caminhos sombrios da ficção).
Quando se adentra um lugar assim, é preciso estar atento às regras que ele impõe. A autora, que vai à frente, certamente está e isso se manifesta nas palavras e frases, que tomam novas formas e combinações e se reinventam. Sarah Diva Ipiranga, em seu texto, lembra de Guimarães Rosa.
O texto permite estas comparações, mas se diferencia em sua errância. Por vezes, lembra um narrativa para crianças; mas fala muito ao adulto. E aqui, parece, entrevemos o fantasma de Walter Benjamin, num famoso ensaio sobre o narrador, sobre as marcas dele que se inscrevem na história. Em sua viagem onírico-desperta pelo sertão, a autora faz o novo no encontro com a tradição.
Mais informações:
Lançamento do livro "O conto da cidade de cristal", de Tereza de Castro Callado.
Sábado, 14, às 18h30, na Livraria Leitura (Shopping Del Paseo - Av. Santos Dumont, 3131, Aldeota).
Contato: (85) 3458.0300
LIVRO
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU