José Padilha mostra 'mecanismo' da corrupção do Brasil em nova série do Netflix

Embora procuradores e juízes tenham conquistado fama internacional por seu combate à impunidade, a série de Padilha tem como foco o menos conhecido trabalho policial.
"O Mecanismo" começa uma década antes da operação Lava Jato. (Divulgação)

Por Caroline Stauffer
A operação Lava Jato, que tem derrubado parlamentares e empresários, atormentou dois presidentes e conquistado a atenção da mídia, estreia como uma série do Netflix nesta semana, muito antes do que qualquer previsão sobre como a investigação terminará na vida real.
Com "O Mecanismo", o diretor José Padilha, mais conhecido pela série "Narcos" e pelos filmes "Tropa de Elite", espera lembrar os espectadores de que a corrupção no Brasil não é culpa de nenhum político ou partido específico.
"O Brasil, e até a imprensa estrangeira, ficou preso em uma batalha ideológica que não tem muito a ver com o mundo real", disse Padilha, durante entrevista por telefone.
"Realmente existe um mecanismo que cria a estrutura lógica da política aqui", disse. "A série está tentando assumir uma posição que não é ideológica."
"O Mecanismo" começa uma década antes da operação Lava Jato, com policiais federais no sul do Brasil investigando um esquema de lavagem de dinheiro em 2003 e não conseguindo prender o principal suspeito.
Por fim, eles revelam um esquema de propina entre políticos, construtoras e a Petrobras na vida real, chamada de Petrobrasil na série.
Embora procuradores e juízes tenham conquistado fama internacional por seu combate à impunidade, a série de Padilha tem como foco o menos conhecido trabalho policial.
Padilha disse que uma das principais personagens, a agente policial Verena Cardoni, é baseada na agente Erika Marena, cujo trabalho levou a primeira prisão de um executivo da Petrobras.
Ela disse à Reuters em 2015 que a Lava Jato seria a maior investigação de lavagem de dinheiro do Brasil com consequências globais, o que se mostrou verdade.
"O Mecanismo", que estreia na sexta-feira, foi escrito pela roteirista Elena Soárez e baseado em um livro do jornalista Vladimir Netto.
Perguntado quantas temporadas estão planejadas para a série, Padilha disse: "Minha intenção é acabar isso quando a corrupção acabar, então vai durar bastante tempo, se depender de mim".

Reuters
 

Comentários

Mais Visitadas

MISTÉRIOS DE NESTOR

O ESPLENDOR DO CARMELO

Editoras de pequeno porte e autores independentes solidificam um nicho de mercado

Acordo entre UFRJ e BNDES dará novo papel cultural ao Canecão

Livro de Juliano Garcia Pessanha traz reflexões filosóficas e relatos