José Padilha mostra 'mecanismo' da corrupção do Brasil em nova série do Netflix

Embora procuradores e juízes tenham conquistado fama internacional por seu combate à impunidade, a série de Padilha tem como foco o menos conhecido trabalho policial.
"O Mecanismo" começa uma década antes da operação Lava Jato. (Divulgação)

Por Caroline Stauffer
A operação Lava Jato, que tem derrubado parlamentares e empresários, atormentou dois presidentes e conquistado a atenção da mídia, estreia como uma série do Netflix nesta semana, muito antes do que qualquer previsão sobre como a investigação terminará na vida real.
Com "O Mecanismo", o diretor José Padilha, mais conhecido pela série "Narcos" e pelos filmes "Tropa de Elite", espera lembrar os espectadores de que a corrupção no Brasil não é culpa de nenhum político ou partido específico.
"O Brasil, e até a imprensa estrangeira, ficou preso em uma batalha ideológica que não tem muito a ver com o mundo real", disse Padilha, durante entrevista por telefone.
"Realmente existe um mecanismo que cria a estrutura lógica da política aqui", disse. "A série está tentando assumir uma posição que não é ideológica."
"O Mecanismo" começa uma década antes da operação Lava Jato, com policiais federais no sul do Brasil investigando um esquema de lavagem de dinheiro em 2003 e não conseguindo prender o principal suspeito.
Por fim, eles revelam um esquema de propina entre políticos, construtoras e a Petrobras na vida real, chamada de Petrobrasil na série.
Embora procuradores e juízes tenham conquistado fama internacional por seu combate à impunidade, a série de Padilha tem como foco o menos conhecido trabalho policial.
Padilha disse que uma das principais personagens, a agente policial Verena Cardoni, é baseada na agente Erika Marena, cujo trabalho levou a primeira prisão de um executivo da Petrobras.
Ela disse à Reuters em 2015 que a Lava Jato seria a maior investigação de lavagem de dinheiro do Brasil com consequências globais, o que se mostrou verdade.
"O Mecanismo", que estreia na sexta-feira, foi escrito pela roteirista Elena Soárez e baseado em um livro do jornalista Vladimir Netto.
Perguntado quantas temporadas estão planejadas para a série, Padilha disse: "Minha intenção é acabar isso quando a corrupção acabar, então vai durar bastante tempo, se depender de mim".

Reuters
 

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

José, servo bom e fiel

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões