Projeto Os Cearenses estreia nova temporada com foco na música local

Estreia hoje uma nova edição de Os Cearenses, projeto audiovisual da TV O POVO e da Fundação Demócrito Rocha. O tema da temporada é “Canto de um povo”, cuja proposta é levar para a tela composições de artistas da música cearense das décadas de 1970 e 1980. O protagonismo é dado às canções de nomes como Fagner, Belchior, Ednardo e Fausto Nilo, entre outros. A temporada, dividida em três episódios, começa hoje e segue amanhã e sexta, sempre às 19 horas, no canal 48 da TV aberta.
“Os arranjos originais que escolhemos são imortais e, por isso, pensamos em convidar as pessoas que estão hoje fazendo a história do cenário da música para propor releituras”, explica Ronaldo Pessoa, diretor e produtor musical do projeto, detalhando ser o objetivo mostrar a atualidade dessas obras. Nesse contexto, o projeto agregou alguns destaques da cena autoral da atualidade para jogar luz em músicas que há décadas estão presentes no nosso imaginário popular. “Escolhemos o repertório com muita dificuldade, porque temos muitas músicas incríveis na nossa história”, completa Ronaldo.
O cantor e guitarrista Felipe Cazaux é um dos artistas convidados. “É fantástica a possibilidade de, mais uma vez, valorizar essas pessoas que são, de algum modo, pioneiros, porque iniciaram toda uma trajetória da Cidade e do Estado”, avalia. O vocalista da banda Mad Monkees cita como inspiração para o trabalho dele a obra de artistas como Fagner (“pelo trabalho musical, o arranjo das composições”) e Belchior (“pelas letras, pelo lado mais poético”). Em Os Cearenses, Cazaux apresenta versão de Cavalo Ferro (Ricardo Bezerra e Fagner). “A gente pegou a música e transformou num rock com pegada meio blues. Estamos muito satisfeitos com o resultado”, celebra, ao lado de Hamilton de Castro (baixo), PH Barcelos (bateria) e Felipe Mesquita (órgão Hammond).
Além de Felipe, participam do projeto Saimonn Rocha, Khalil Goch, Lorena Nunes, Nayara Rodrigues, Argonautas, Rebeca Câmara, Mel Mattos, Marcelo Justa e Zé da Zefa. “A proposta é ser vitrine para esses nomes. Eu já tive a oportunidade de trabalhar com muita gente de fora do Estado, mas os cearenses, sem dúvida, estão entre os melhores do Brasil”, elogia Ronaldo.
Quem apresenta a temporada é o jornalista Marcos Sampaio, editor do Vida&Arte. “Os Cearenses é um trabalho que tem vários alvos. Não só relembra canções que marcaram uma época, como abre espaço para outras que não ficaram famosas, o chamado lado b, e ainda traz uma nova geração, que também compõe, também marca sua época”, aponta. Marcos projeta: “Nessa temporada, esses artistas aparecem como intérpretes, mas nada impede que venha outra temporada falando dessa nova música que está sendo feita aqui”.
Além da TV, o programa chega também à Mucuripe FM 106.5. A temporada será apresentada em cinco episódios, sempre às 22 horas, de hoje até domingo — dia que terá edição especial com todas as canções que compõem a temporada. De 2009 até agora, Os Cearenses já produziu 34 docudramas divididos em cinco temporadas. Os programas contam a história de personagens, movimentos e fatos importantes do Estado.
Diretor de marketing do O POVO, Cliff Villar é o idealizador de Os Cearenses e comemora a renovação com essa sexta temporada. “A gente cria uma fotografia da nossa história e o projeto acaba tendo uma função educativa, pedagógica. A gente já tem várias vertentes, nós já fizemos tantos docudramas quanto videoaulas de história do Ceará para ser usada na sala de aula”, conta. Cliff completa: “É um projeto com muita densidade de informação. Costumo falar que esse é um projeto que fica para sempre, porque daqui a décadas a gente ainda vai ter um acervo de informação muito importante”, celebra.
Sobre a sexta temporada, Cliff destaca a possibilidade de pensar os programas também para a rádio. “Além de falar sobre as músicas, tem uma atualização desses clássicos, uma leitura de uma nova geração e é muito bom ver como esses artistas trabalham com esses elementos do passado, que não são intocáveis”, afirma ele, adiantando que o projeto vai ser apresentado ao vivo no Festival Vida&Arte.
Cliff destaca também que essa edição de Os Cearenses, ao tratar da música, quis evidenciar a história viva. “Começamos a aproximar mais esse processo da nossa discussão da história recente. Existe uma contemporaneidade que é importante para a gente”. Para o gestor, o programa pode ser start para outros movimentos: “Talvez a gente esteja incentivando o surgimento dos novos letristas, compositores, instrumentistas, intérpretes. Mostrando que o Ceará é uma terra que já frutificou coisas muito bacanas, está na hora de outra geração vir e dar sua contribuição”, convida.

MÚSICAS
OS CEARENSES
Revelação, por Saimonn Rocha
Morena Penha, por Khalil Goch
Cavalo Ferro, por Felipe Cazaux
Artigo 26, por Lorena Nunes
Traduzir-se, por Nayara Rodrigues
Mucuripe, por Argonautas
Meninas do Brasil, por Rebeca Câmara
Asa Partida, por Mel Mattos
Enquanto engoma a calça, por Marcelo Justa
Pedras que cantam, por Zé da Zefa.

SERVIÇO
Os Cearenses
Quando: Na TV O POVO, de hoje, 25, até sexta-feira, 27, sempre às 19 horas. (com reprise nos dias 30 de abril, 1º e 2 de maio, também às 19 horas). Na Mucuripe FM 106.5, de hoje até domingo, às 22 horas.
Informações: os episódios estão disponíveis no site: oscearenses.com.br
RENATO ABÊ

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

A linguagem do amor

Garimpeiro do conhecimento

História do transporte de passageiros é contada em Centro Cultural da Fetrans

Cannes: Filmes de qualidade, mas sem ousadia

O saber na periferia do conhecimento