Fernanda Montenegro em noite histórica na Flip 2018

A Sessão de Abertura da 16ª Festa Literária Internacional de Paraty – Flip trouxe a obra de Hilda Hilst, Autora Homenageada desta edição, interpretada por dois grandes nomes da arte brasileira: a atriz Fernanda Montenegro, que realizou uma leitura dramática de textos da autora, sob direção de Felipe Hirsch, e a compositora Jocy de Oliveira, que criou uma apresentação especial para a abertura da Flip. A Sessão de Abertura contou também com falas do diretor geral do Programa Principal, Mauro Munhoz; Liz Calder, presidente da Flip; e Joselia Aguiar, curadora da edição.

“Nossa Sessão de Abertura é um símbolo de artes e gêneros que não têm fronteiras entre si. Teatro, música e literatura integrados”, afirmou Mauro. Na sequência, subiu ao palco do Auditório da Matriz Liz Calder, que deu boas-vindas aos paratienses e aos visitantes da Flip. “Estou feliz da vida com o nosso programa deste ano e, especialmente, com essas duas mulheres magníficas”, disse ela, em referência à participação de Fernanda e Jocy. Joselia relacionou Lima Barreto, Autor Homenageado 2017, e Hilda Hilst – os dois navegantes de vários gêneros, que não fugiram às questões de sua época. “Neste ano temos uma Flip mais intimista, sem deixar de tocar em temas candentes: o racismo, a violência religiosa e de gênero”, pontuou Joselia.

Leitora de Hilda Hilst, Fernanda Montenegro declamou textos da escritora que assinalam sua face política, erótica, cômica e metafísica. “Sempre me perguntaram por que eu escrevo, e uma palavra que eu não tinha lembrado – talvez quem sabe por amor próprio – é a palavra debilidade. É uma sensação de debilidade maior do que de força, o ato de escrever”, leu Fernanda. E a atriz deu também voz a íntimas confissões da escritora: “Parece que eu consegui dizer coisas poeticamente de verdade”. Também à dor de não ser lida. “Acho que as tentativas que eu fiz em seguida, meu teatro, a ficção, foram tentativas de aproximação, um ir em direção ao outro. Mas algo de trágico aconteceu, porque foi um fracasso completo.” Aplaudida de pé, Fernanda se despediu festejando a autora: “Maravilhosa Hilda Hilst, inesgotável Hilda Hilst, amada Hilda Hilst!”.

Então surgiram da plateia as sopranos Gabriela Geluda e Doriana Mendes, que executaram parte da obra Ouço vozes que se perdem nas veredas que encontrei, de Jocy de Oliveira – em menção às vozes do além-mundo que Hilda buscava capturar em seu gravador. Jocy chamou atenção para a presença da morte na obra da escritora: “Em 1970, Hilda decidiu mergulhar em curiosas experiências tentando registrar vozes de mortos. Hilda tentava se comunicar com outros mundos”. Ao apresentar sua segunda obra que trouxe à Flip, Medea Solo, Jocy associou a transgressão de Hilda à da personagem mitológica Medeia. “Foi no grito das mulheres guerreiras excluídas que resgatei o grito de Medeia, o direito de ser diferente num mundo em que ela foi considerada terrorista. A Medeia desterrada, discriminada: questões pertinentes do mundo atual.”

Declarou por fim: "São muitas as Hildas. Ela encarna um universo poético único e nos representa como mulheres. Nós, mulheres, somos todas Hilda".

Fonte: Flip.org.br

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU