FORA DE CONTEXTO



Grecianny Carvalho Cordeiro*

A corrida para a eleição presidencial começou, pelo menos, extraoficialmente, posto que o calendário eleitoral ainda se fará cumprir.
Embora ainda confuso e nebuloso os nomes dos candidatos à presidência da República, já podemos deduzir o que virá pela frente.
Depois de tantos percalços e desencantos, o povo brasileiro sonha com um candidato capaz de restaurar a confiança no poder político, de fortalecer as instituições, de continuar a batalha contra a corrupção, de recuperar a economia...
Pelo jeito, continuaremos na fantasia, porque o mundo real vem se mostrando bem diferente.
Pelo que temos visto, a preocupação dos políticos em geral e dos candidatos à presidente da República, é muito simples, e difere bastante das aspirações do povo brasileiro.
Para eles, o Brasil da Lava Jato é pernicioso, pois lhes retirou os amplos poderes para exercer uma política de toma-lá-dá-cá, capaz de perpetuar um esquema de corrupção que visa somente a atender os interesses pessoais e de alguns grupos.
Para eles, o Brasil que se quer passar a limpo não pode continuar, sob pena de destruir por completo o poderio da classe política, que precisa permanecer intocada e acima da lei.
Para eles, o Brasil precisa retomar os trilhos e voltar à normalidade.

O Poder Judiciário deve manter-se silente, dizendo amém àqueles que os indicaram para os postos mais altos de seus Tribunais, recusando-se a tomar decisões capazes de desagradar os gestores públicos e os altos figurões.
O Ministério Público deve manter-se preocupado apenas com os crimes usuais, sendo-lhe vedado cuidar dos crimes de corrupção, pois estes devem ter ampla liberdade para o seu cometimento e garantia total de impunidade, como sempre foi.
A imagem pode conter: 1 pessoa, texto
A Polícia Federal deve manter-se focada na investigação de crimes de tráfico internacional de drogas, serviço de imigração, bem longe de crimes de corrupção e de lavagem de dinheiro.
PoderJudiciário, Ministério Público e Polícia Federal devem ficar quietos, passivos e permissivos, em seus pequenos universos.
E quanto à imprensa? Que fique bem caladinha.
Senhores aspirantes ao cargo de presidente da República, lembrem-se que o Brasil que vocês pretendem governar não é o Brasil do passado, mas o Brasil do futuro.
O povo brasileiro não quer mais suas instituições guardadas em uma caixinha insignificante, acuadas e com medo de agir, mas sim, trabalhando ativamente para o país e não para os grupos no poder.
Portanto, não fiquem fora de contexto.
*Promotora de Justiça

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Para especialistas, pais devem acompanhar uso da internet por crianças

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU