Manifestações e anseios da juventude no espaço urbano são iluminados pelo II Colóquio Diálogos Juvenis

por Antonio Laudenir - Repórter
Grafite
Grafite, música, Intervenção urbana e cultura pop são alguns dos temas do evento ( Foto: Thiago Gadelha )
Conversar com a diversidade das práticas, invenções, subjetividades e repertórios culturais dos jovens é um desafio em constante mutação para a pesquisa acadêmica. Adentrar este território, permeado por uma faixa da população por vezes marginalizada e pouco questionada quanto a seus desejos é um dos muitos objetivos do II Colóquio Diálogos Juvenis Sentimentos Intensos: Cidade e Arte.
Reunindo pesquisadores, docentes e público em geral, o encontro tem início nesta terça-feira (31), no Auditório do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC) e segue até 2 de agosto com uma série de conferências, mesas-redondas, apresentações de trabalhos, performances e palestras no departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará (UFC) e no Centro de Humanidades da Universidade Estadual do Ceará (UECE).
A atividade de abertura conta com a presença da Profa. Dra. Cornélia Eckert. Representante do Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a convidada apresenta a conferência "A arte de narrar as (nas) cidades: Etnografia de (na) rua, alteridades em deslocamento".
Através do encontro entre diferentes agentes sociais como as universidades, estudiosos e personalidades com atuação no campo das juventudes, o evento tem como intenção refletir acerca dos repertórios juvenis diante de referentes como cidade, arte e outros dispositivos de intervenção e interação com o espectro urbano.
A premissa é identificar as pluralidades de temas estudados neste campo, articulando e fortalecendo toda uma rede de pesquisa tanto em nível teórico como metodológico. Como alternativa para uma percepção mais profunda sobre os rastros dessa juventude, o perímetro urbano ergue-se como território de observação. A cidade, assim, eleva-se como palco destas relações comunicativas e sociais. Em constante modificação ao longo das décadas, a urbe interfere nos anseios dos jovens e estes, por sua vez, buscam resistir nesse ambiente através de manifestações e dispositivos de intervenções próprios.
Histórico
A proposta do "Diálogos Juvenis" surgiu no momento da criação do Laboratório das Artes e das Juventudes (Lajus), em março de 2012. À época foram promovidas ações mensais que se constituíram base para a construção do atual Colóquio. Foram realizados encontros temáticos entre narradores-chave e pesquisadores com o intuito de identificar as intercessões entre o discurso acadêmico e as falas e percepções dos grupos estudados. Com esse estímulo, o Lajus organizou o I Colóquio Internacional Diálogos Juvenis: Diminuindo distâncias entre Narradores e Pesquisadores.
Nessa primeira atividade, a missão foi identificar e dialogar com as práticas diversas de juventudes e suas demandas por direitos. Sem dúvidas, um caminho para possibilitar o estreitamento de relações entre o âmbito do Ensino Superior e o desenvolvimento de ações inter-setoriais, ampliando a atuação da pesquisa para além dos muros das instituições de ensino.
Urgência
A segunda edição que tem início nesta terça-feira reflete os esforços conjuntos do Lajus, em parceria com a Rede Luso-brasileira "Todas as artes, todos os nomes" e com a pós-graduação em sociologia da UECE. Outro apoio decisivo é mediado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Instituto Dragão do Mar, Galeria Sem Título e Rede Luso-Brasileira de Pesquisadores em Artes e Intervenções Urbanas (Raiu).
A lista de trabalhos selecionados para discussão nos Grupos de Trabalho (GTs) reverbera a atuação tanto de acadêmicos locais como de diferentes pontos do País e do exterior. Cada artigo se lança como um documento que aprofunda os muitos aspectos culturais, sociais e políticos pelos quais os jovens protagonizam ou estão a mercê cotidianamente.
São quatro grupos divididos tematicamente por "Afetos, memórias e intervenções artísticas nos contextos urbanos"; "Sociabilidades Juvenis e seus Circuitos: entre afetos, redes e consumos"; "Territórios, sonoridades, estéticas e cenas"; e "Metamorfoses artísticas e criativas nas sociedades contemporâneas".
Ao todo, 76 artigos serão apresentados na quarta-feira (1). Os autores e coautores estão organizados por blocos e sessões e a riqueza de temas e manifestações pesquisadas é um dos destaques dentro da programação.
A diversidade de pensamento e apreciações intensifica a proposta de intercâmbio entre narradores, pesquisadores, estudantes e demais interessados em discutir as juventudes em seus entrelaçamentos afetivos, simbólicos e materiais com a cidade.
Assuntos urgentes e carentes de aprofundamento, tanto por parte da sociedade como da mídia tradicional, integram a lista de trabalhos. Muitos desses temas são comuns ao dia a dia de jovens e atravessam experiências ou manifestações mediadas pela música, grafiti, identidade racial, políticas públicas, violência, intervenção urbana, cultura pop, sexualidade, afirmação social, esporte e expressão corporal. Algumas pesquisas chamam atenção pelo ineditismo ou pertinência das abordagens.
São resíduos e expressões ancoradas em diferentes campos e realidades geográficas. João Augusto Neves Pires (Unicamp) comparece com o artigo "Circuitos e afetos dos jovens punks na cidade de São Paulo na década de 1980", enquanto Raquel Cristina Araújo Freitas (UECE) e Diógenes Werne da Costa Lopes (UECE) recortam "Singularidade e produção fílmica na praia das Goiabeiras". Tereza Rafaella Cordeiro Maciel (UFC) ilumina questões pertinentes de mobilidade através de "O Ciclo ativismo Feminista Contemporâneo: um movimento de luta das mulheres pelo direito à cidade".
Plural
O corpo e a atitude política abastecem Joana Darc Oliveira Gomes/ Maria Dedita Ferreira de Lima (UEVA), autoras de "Meu cabelo minha identidade: a (re) construção social da beleza e a identidade em disputa entre as estudantes da escola carmosina, na cidade de Sobral - CE".
Vyullheney Fernandes de Araujo Lacava (UFRN) monta uma observação de campo em "Cartografia de sonoridades drags - territórios musicais, rostidades e montações". Expressões subterrâneas como o heavy metal, a cultura gótica, o surf, funk, cultura geek são algumas das muitas manifestações esmiuçadas e cuidadas pela rede pesquisadores.
Performances e lançamentos editoriais também integram os três dias de atividade. Thomas Saunders interpreta "REGinger", às 9h, no Auditório José Albano, do Centro de Humanidades I (UFC). Às 18h do mesmo dia, Waldírio Catro (Porto Iracema das Artes) e Eduardo Bruno (USP) participam com "I am a jingle, isso é um aviso". Na quinta (2), 9h, será a vez da bailarina/performer Sílvia Moura destrinchar a performance "Tempestade".
No dia da abertura do II Colóquio Diálogos Juvenis, Alexandre Barbosa Pereira lança "A Maior Zoeira na Escola: experiências juvenis na periferia de São Paulo" (editora Unifesp); Antonio Sabino da Silva Neto (organizador) chega com "Incursões Socioantropológicas: pesquisas de campo no Ceará". Outros títulos presentes são "Perecível (fotografias, haicais e outros escritos)" (Felipe Camilo); "Juventudes e ensino médio: transições, trajetórias e projetos de futuro" (Maria Alda de Sousa Alves); e "Quem é o melhor DJ do mundo? Disputas simbólicas na cena de música eletrônica", de autoria de Marcelo Garson.
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Trinta Anos de Ordenação Sacerdotal do Pe. Geovane Saraiva

Parabéns, Padre Geovane!

Exposição traz obras do cearense José Ximenes

Michelle Bachelet será a nova chefe de direitos humanos da ONU

Deus, alimento e remédio