Pular para o conteúdo principal

Solidariedade: a saída para a vida moderna

  domtotal.com

"Sem a solidariedade, a sociedade efetivamente não se sustenta", ressalta psicólogo.

Por Alexandre Vaz
Repórter Dom Total

Desde o início de seu pontificado, o papa Francisco vem reiterando, em inúmeras oportunidades, a importância de se resgatar os valores da solidariedade e da fraternidade entre as pessoas. Crítico do atual modelo econômico mundial que, segundo ele, transforma as pessoas em escravas dos “ídolos do poder, do lucro e do dinheiro”, o Santo Padre defende que é preciso lembrar que, “acima dos negócios, da lógica e dos parâmetros do mercado, está o ser humano”. Para Francisco, mais do que simples caridade, a solidariedade representa o resgate dos valores fundamentais do homem, sem os quais é impossível a vida em sociedade. 

Para muitos estudiosos, o apelo do papa não é apenas pertinente do ponto de vista filosófico e religioso, como também tem bases científicas. O psicólogo Yuri Elias Gaspar, mestre e doutor pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explica que o sentimento de solidariedade é um dos principais fundamentos para a vida em comunidade.

“Não basta que as pessoas tenham uma estrutura social que facilite um bem-estar material. É preciso que as relações humanas sejam humanas, confiáveis e verdadeiras. É preciso que a vida tenha sentido e que sejamos felizes. E a vivência da vida em solidariedade é uma ocasião preciosa para favorecer isso. Na minha opinião, sem a solidariedade, a sociedade efetivamente não se sustentaria”, explica o psicólogo, que pesquisa o fenômeno do voluntariado nas sociedades modernas.

Yuri Elias Gaspar explica que o surgimento do sentimento de solidariedade entre as pessoas é um fenômeno complexo, constituído por múltiplas causas. “Independente de sua origem, a solidariedade é uma característica de todo ser humano. No entanto, cada pessoa vive a solidariedade de um modo próprio, único, de acordo com suas características individuais e com o contexto social em que está inserida”.

Segundo o psicólogo, as pessoas dão conta da dimensão da vida quando se dispõem a sair de sua esfera individual para entrar em contato com o outro e ajudá-lo.  “O ser humano se desenvolve enquanto tal na relação com o outro. Quando nos dispomos a compartilhar a vida com alguém, abrimos caminho para reconhecê-lo como humano, isto é, como alguém que tem um rosto, uma história e uma sensibilidade próprias. Tenho visto que, quando o relacionamento humano se estabelece nesses termos, a pessoa vive uma realização e uma gratidão justamente por participar de algo que faz sentido para si. Não é por acaso que, muitas vezes, as pessoas que trabalham voluntariamente dizem que mais recebem do que doam quando realizam esse trabalho”, ressalta.

Yuri Elias Gaspar ressalta o efeito benéfico multiplicador que o trabalho voluntário permite na sociedade, ao propiciar um aumento de qualidade na relação do indivíduo consigo mesmo e com todos aqueles que estão ao seu redor.  “A partir de minha experiência de pesquisa, tenho visto que o trabalho voluntário - entendido no sentido de relação interpessoal de doação de si ao outro - carrega essa potencialidade de ajudar a pessoa a reconhecer e a desenvolver a solidariedade. Quanto mais a pessoa vive o gosto por compartilhar a vida com o outro numa posição de gratuidade, mais ela quer viver isso em toda relação”, afirma.

“Nos dias de hoje, vivemos numa sociedade que, em grande parte, tem se estruturado em função de posições materialistas e individualistas. No entanto, o trabalho voluntário tem ganhado cada vez mais visibilidade e incidência no cenário nacional, o que poderia ser um indicativo da necessidade de uma mudança de mentalidade. Portanto, embora muitas vezes rechaçada, a solidariedade insiste em permanecer, justamente porque somos humanos”, finaliza.

Redação Dom Total

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …