Anúncios Parceiro Magalu - Erigleissonevoce

Papa denuncia «pecado mortal» do salário injusto

Agência Ecclesia
  


(Lusa)
(Lusa)

Francisco reforça centralidade dos pobres na vida da Igreja e lembra que é contra uso injusto das riquezas, sem demonizar os ricos

Cidade do Vaticano, 13 mar 2015 (Ecclesia) - O Papa Francisco, que hoje completa dois anos de pontificado, voltou a sublinhar a centralidade dos pobres na vida da Igreja Católica e denunciou o “pecado mortal” do salário injusto para quem trabalha.
“O que mais me indigna é o salário injusto, porque alguém enriquece à custa da dignidade que não dá à pessoa”, confessa, em entrevista à televisão mexicana ‘Televisa’, divulgada esta manhã.
Francisco mostra-se chocado com a “tranquilidade de consciência” de quem não paga salários, pensões ou subsídios, transformando o trabalho em algo “indigno”.
“É pecado! Seja feito por um rico, por alguém da classe média ou por um pobre, é pecado. Temos de denunciar estas coisas”, assinalou.
O Papa rejeita de novo quaisquer acusações de “comunismo” e explica que não está contra quem é rico, mas contra “a injustiça das riquezas”, porque “o diabo entra pelo bolso”.
“Por exemplo, quando não se paga o salário justo, é um pecado mortal. Isso é aproveitar-se da pobreza do outro”, insiste.
O pontífice argentino sublinha que o próprio Jesus Cristo coloca os pobres “no centro” da sua mensagem, elogiando a “sabedoria, a dignidade do trabalho”.
“O que eu ataco é a segurança na riqueza. Não ponhas a tua segurança aí. Jesus é radical quanto a isso, no Evangelho”, refere.
A este respeito, o Papa realça que está em curso a causa de beatificação de um empresário rico argentino, Enrique Shaw (1921-1962).
“Uma pessoa pode ter dinheiro. Deus dá-o para que se administre bem e este homem administrava-o bem, não com paternalismo, mas fazendo crescer aqueles que precisavam da sua ajuda”, explicou.
A entrevista recorda dramas como o tráfico de pessoas, promovido por “pessoas com muito dinheiro” e critica os que vivem “ignorando que existe pobreza”.
“São a esses que eu ataco. O dinheiro que escraviza os outros, não os deixa crescer”, observa.
Como fizera numa anterior entrevista ao jornal italiano ‘Il Messaggero’, o Papa rejeita o rótulo de ‘marxista’, afirmando que “a bandeira da pobreza é cristã” e que os comunistas a “roubaram” porque a Igreja a tinha colocado “no museu”.
Francisco elogia os que nos últimos séculos procuraram “saídas” para a promoção social, face às crises.
“Não é questão de dar dinheiro, é promover. Daí a importância da educação e das saídas laborais”, frisou.
O Papa mostra-se “escandalizado” com a discrepância entre bairros de lata e empreendimentos de luxo, separados por poucos quilómetros, e reconhece que por vezes usa “palavras fortes” para denunciar estas situações.
OC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Filmes inspirados em livros na Amazon Prime Vídeo

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Goethe e o Oriente