Pular para o conteúdo principal

Apelo do padre Mauro Gambetti, Custódio do Sacro Convento de Assis

San-Francesco-e-il-sultano
Ao que está acontecendo não podemos responder com o silêncio. Já está sendo travada a “Terceira Guerra Mundial”, e a Europa, ferida no coração e desafiada repetidamente, não pode mais permanecer na janela, observando o que acontece no Oriente Médio, na África e em outros países aparentemente distantes. Não pode sequer limitar-se a atualizar programas e convenções para acolher refugiados.
O terrorismo transversal, inflamado pelos proclamadores de uma “guerra santa”, obriga os governos e os cidadãos a tomarem posição: esconder-se como ratos ou dar a cara. Guerra santa? Misericórdia.
Vem à mente João Paulo II, que, em 1986, em plena Guerra Fria, convocou a Assis os líderes mundiais das religiões para rezar pela paz no mundo. As intenções beligerantes dos EUA e da URSS foram desafiadas pela paz e o apelo para se silenciarem as armas durante um dia terminou com as palavras atribuídas a São Francisco: “Onde houver ódio, que eu leve o amor […] onde houver guerra, que eu leve a paz”.
Depois, desabam muitos muros. Durante o conflito na Bósnia e Herzegovina, em 1993, o papa chamou novamente os líderes religiosos das principais fés monoteístas e de novo interveio apontando o caminho da reconciliação. Depois do ataque às Torres Gêmeas, cristãos e muçulmanos pareciam querer alçar o próprio Deus como sinal para derrotar um ao outro, matando-se mutuamente.
E, mais uma vez, cansado e desgastado, mas perseverante, o papa convocou novamente em Assis todas as religiões do mundo. Alto ergue-se o brado uníssono de todos os líderes: “Violência nunca mais! Guerra nunca mais! Terrorismo nunca mais! Em nome de Deus, cada religião leve ao mundo a justiça, a paz, o perdão, a vida, o amor!”.
Neste ano completa seu trigésimo aniversário o primeiro encontro – e os frades franciscanos de Assis, junto com a Comunidade de Santo Egídio e a diocese, escancaram as portas para um novo encontro entre os líderes das religiões do mundo. Uma oração conjunta e uma palavra unânime, fruto de uma reflexão partilhada, é a resposta que queremos suscitar.
De 18 a 20 de setembro, dois dias de painéis de discussão e uma jornada de oração. Com os líderes religiosos, são convidados políticos, representantes da ciência e da cultura, agentes de paz e todos os homens de boa vontade. Quem quiser, venha para Assis!
Juntos nos perguntaremos: quais são os princípios reconhecidos por todas as religiões para a coexistência pacífica? Qual é o contributo que a política, a ciência e a cultura em geral podem propor para um conjunto de diretrizes focadas na convivência humana?
Diante da violência furiosa, as religiões devem dar ao mundo uma mensagem convergente. A política deve fazer o esforço de traçar a rota rumo à justiça e à paz entre os povos, combinando cada projeto com a sustentabilidade ambiental.
Nas principais praças do mundo, do oriente ao ocidente, proclamaremos o pensamento que vai emergir dos encontros e diálogos de Assis. E cultivaremos um sonho: que a Itália seja exemplo de integração de culturas, assumindo as diretrizes de Assis na lei e nos decretos. Talvez possa estender-se o modelo aos países europeus e, em seguida, a todos os países membros da ONU.
Acreditamos que a estrada de Assis, a estrada da fraternidade humilde traçada por Francisco, vivida na estrada antes mesmo que nos conventos e caracterizada pela “recíproca submissão”, seja a resposta dada. Zenit

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…