Pular para o conteúdo principal

DIA INTERNACIONAL DA MULHER: EMÍLIA NADAL REALÇA IMPORTÂNCIA DE EDUCAÇÃO TRANSMISSORA DE «MODELOS E VALORES»

Agência Ecclesia 08 de Março de 2016, às 12:48        Foto: Emília Nadal
Foto: Emília Nadal
Pintora recorda «caminho imenso» da mulher na Igreja

Lisboa, 08 mar 2016 (Ecclesia) – A artista plástica Emília Nadal considera que “na era da globalização e da multiculturalidade” faz ainda mais sentido assinalar o Dia Internacional da Mulher e alerta que a educação transmissora de “modelos e valores” é fundamental.

“Há problemas novos com os quais nos deparamos pela primeira vez, ou pelo menos temos consciência deles, porque é uma questão eminentemente cultural da qual derivam os modelos que as pessoas têm em relação ao reconhecimento da mulher e como veem o seu papel na família, na sociedade, na religião e em todos os setores da vida”, começou por explicar à Agência ECCLESIA.

Emília Nadal cita o escritor Mia Couto – “cada homem é uma raça” – para afirmar que “cada mulher é uma pessoa” de onde deriva “tudo” porque nas sociedades, culturas, comunidades e nos grupos sociais onde não existe o conceito de pessoa como individuo, “com direitos, deveres e capacidades” podem, de certa maneira, “escravizar as mulheres desde as formas mais violentas, às mais softs e justificadas, por razões nomeadamente religiosas”.

A entrevistada revela à ECCLESIA que a sua afirmação surge no sentido que cada pessoa tem de “definir as suas prioridades”, da maternidade, da família, algo que também se coloca aos homens e não só às mulheres.

“Há homens que hoje colocam a sua prioridade na família, diz-se a partilha das funções, das atividades. É para isso que caminha o sentido da mulher integrar-se e não vermos como caso isolado mas como um todo que é como a mulher tem de estar na sociedade, na Igreja, na família”, desenvolve, sublinhando que as opções “têm de se respeitar”.

“Muitas vezes equacionamos as situações com o modelo que recebemos, a mulher é para estar em casa, a cuidar da família, e depois vê-se o resto”, observa Emília Nadal, destacando que a maneira como as mulheres educam os filhos é o que eles depois vão reproduzir.

“As mulheres é que muitas vezes são as principais responsáveis da transmissão dos valores”, frisa.

A artista plástica alerta que na sociedade portuguesa há mulheres que “são excisadas”, outras que “até têm uma vida dupla, no bom sentido”, e que existem mulheres “integradas e reconhecidas”, em certos setores profissionais, mas dentro de suas casas “seguem os mesmos modelos das suas avós”.

Neste contexto, defende uma educação para “um caminho onde todos têm de ser autónomos”, que não fiquem “confinados” ao que são os modelos ancestrais que foram propostos porque se não prega-se que a mulher “pode fazer tudo mas quando chega a casa também tem de fazer tudo e isso não é possível a ninguém”.

Para Emília Nadal, o caminho da mulher na Igreja depende das comunidades, dos locais, das culturas, “de toda uma tradição”, e assinala que não se podem “comparar comunidades muito diferentes” porque onde a mulher, no seu estatuto social, tem determinados papéis “é normal que também tenha reflexo na Igreja”.

A pintora relembra ainda que, na sua juventude, Nossa Senhora era apontada como “modelo para as mulheres” mas “a Igreja evoluiu” para passar a apresentá-la como “modelo da fé dos crentes, das comunidades”.

Neste âmbito, comenta também que a mulher “deixou de ser arranjar as flores do altar” para ter um papel “muito mais importante, inclusivamente nos estudos teológicos”.

A entrevista pode ser acompanhada no Programa ECCLESIA que a RTP 2 transmite às 01h05 da madrugada de quarta-feira.

HM/CB

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…