Pular para o conteúdo principal

Grande marcha abre Fórum Social Mundial 2016

Fórum acontece pela primeira vez em um país rico com a intenção de superar a divisão.


Marcha marca o início do Fórum Social Mundial (FSM), em Montreal.
Marcha marca o início do Fórum Social Mundial (FSM), em Montreal.
Uma grande marcha colorida e festiva deu início na terça-feira em Montreal ao Fórum Social Mundial (FSM), que na sua 12ª edição é celebrado, pela primeira vez, em um país rico com a intenção de superar a divisão entre o norte e o sul.
Cerca de 5.000 pessoas marcharam, cantando e dançando, pelas ruas da cidade, com cartazes nos quais se lia mensagens como: "Não posso acreditar que ainda preciso protestar pelo meio ambiente e a justiça".
O número de intelectuais será menor na capital de Quebec do que nas grandes reuniões de Porto Alegre, onde foi celebrado o primeiro FSM, em 2001. Os organizadores, contudo, negam uma estagnação do movimento. "É equivocado dizer que o Fórum Social mundial está se estagnando, eu noto uma vitalidade crescente", com foros locais e regionais, comentou Carminda Mac Lorin, coordenadora do FSM de Montreal.
Os objetivos também mudaram ao longo dos anos, e da luta contra a globalização se passou a questões que não diferenciam entre ricos e pobres nem entre sociedades, como a luta contra a evasão fiscal, o aquecimento global e a acolhida de refugiados que fogem de conflitos.
"É preciso superar o racha entre o norte e o sul [...], as desigualdades sociais aumentam em todas as partes", afirmou Raphaël Canet, outro dos organizadores desta edição. O ativista brasileiro Chico Whitaker, co-fundador do FSM, ressaltou a necessidade de encontrar soluções para problemas que são idênticos em qualquer lugar do mundo.
"Os problemas que vivemos no terceiro mundo são vividos da mesma maneira nos países industrializados", afirmou nesta segunda-feira Whitaker, ex-membro do Partido dos Trabalhadores e agora comprometido com causas ambientais.
O presidente da ONG Mulheres, Poder e Desenvolvimento, o guineano Fatoumata Cherif, lamentou a baixa mobilização. "Não há muitos africanos e, com a presença de delegados só de países do Norte, não vejo como poderia ser o Fórum Social Mundial", opinou o ativista.
Como em edições anteriores, a participação é fundamentalmente regional, devido aos custos de deslocamento e hospedagem para os visitantes estrangeiros.
A participação também foi menor porque mais de 230 convidados tiveram o visto negado, entre eles personalidades como a maliense Aminata Traoré, o presidente do sindicato palestino, Imad Temiza, e Rogerio Batista, da CUT.
Para a ativista Dominique Pilhon, da organização Attac-France, a negativa à concessão de vistos é uma "escolha política" que "desonra o governo canadense" por ir "contra o FSM e os militantes que lutam pelos direitos humanos".
Os debates sobre o aquecimento global acontecerão nos seis dias de duração do fórum, incluindo uma conferência da ativista canadense Naomi Klein. Os milhares de participantes também irão discutir os fluxos migratórios, as desigualdades de renda -tema recorrente do FSM-, e a economia solidária, entre outros temas.
O FSM foi realizado neste ano em Montreal -pela primeira vez em um país, Canadá, membro do G7-,devido à presença de uma sociedade civil ativa e militante, segundo os organizadores.

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…