Pular para o conteúdo principal

As drogas e a morte aos 19 anos: uma carta ao meu pai

Fumando maconha

Pai,

Acho que neste mundo ninguém chegou a descrever o seu próprio cemitério. Não sei como o meu pai vai recebê-lo. Mas preciso de todas as minhas forças enquanto é tempo. Sinto muito, meu pai; acho que este diálogo é o último que tenho com o senhor. Sinto muito mesmo.
Sabe, pai… Está em tempo do senhor saber a verdade que nunca suspeitou. Vou ser breve e claro. A DROGA ME MATOU, pai.
Conheci meus assassinos aos 15 para 16 anos de idade. Sabe como nós conhecemos isto? Através de um cidadão elegantemente vestido, bem elegante mesmo e bem falante, que nos apresentou o nosso futuro assassino.
Eu tentei, tentei mesmo recusar, mas o cidadão mexeu com o meu brio dizendo que eu não era homem. Não preciso dizer mais nada, não é?
No começo foram as tonturas, depois o devaneio, depois a escuridão. Não fazia nada sem que a droga estivesse presente. Depois veio a falta de ar, medo, alucinações, depois euforia novamente. Eu sentia mais do que as outras pessoas, e a droga, minha amiga inesquecível, sorria, sorria…
Sabe, pai, a gente, quando começa, acha tudo ridículo e muito engraçado. Até Deus eu achava ridículo. Hoje, neste hospital, eu reconheço que Deus é o Ser mais importante. Eu sei que, sem a ajuda dele, eu não estaria escrevendo o que estou.
Pai, o senhor pode não acreditar, mas a vida de um dependente é terrível, a gente se sente dilacerado por dentro. É terrível e todo jovem deve saber disso para não entrar nessa. Eu não posso mais dar nem três passos sem me cansar. Os médicos dizem que eu vou ficar curado, mas, quando saem do quarto, balançam a cabeça.
Pai… eu só tenho 19 anos e sei que não tenho a menor chance de viver. É muito tarde para mim, mas, para o senhor, pai, tenho um único pedido a fazer: diga a todos os jovens que o senhor conhece e mostre a eles esta carta, diga a eles que em cada porta de escola, em cada cursinho, em cada faculdade, em qualquer lugar, há sempre um homem bem vestido, bem falante, que vai mostrar para eles o seu futuro assassino, o destruidor da sua vida, que levará à loucura e à morte como aconteceu comigo. Por favor, faça isso, meu pai, antes que seja tarde demais para eles também. Me perdoe, meu pai… Já sofri demais. Me perdoe por fazê-lo sofrer também com as minhas loucuras. Adeus, meu pai.
* * *
Mesmo que o seu filho esteja numa situação como esta, não desista jamais. Ame-o com amor maior ainda, pois o amor é mais forte que a própria morte. Mais do que nunca o seu filho vai precisar de você como pai ou como mãe. Ajude-o a se tratar, acompanhe-o onde for preciso. Lute para salvar esta vida que você pôs no mundo. Ajude-o a se ajudar. E peça a ajuda de Deus para ele e para você.
__________
A partir do livro “Família, Santuário da Vida“, do Prof. Felipe Aquino

Aleteia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…