Pular para o conteúdo principal

Ingrid Guimarães brilha em comédia

Ingrid dá um show com papel que abre diversas possibilidades de humor e um drama leve.


Caco Ciocler e Ingrid Guimarães em cena da comédia romântica.

Caco Ciocler e Ingrid Guimarães em cena da comédia romântica.
Por Alysson Oliveira
A comédia romântica é, provavelmente, um dos gêneros cinematográficos mais maltratados, em que diretores, roteiristas e produtores raramente saem da zona de conforto. Em geral, preferem uma fórmula fixa que, quase sempre, se resume a uma mulher que descobre que não pode viver sem um certo homem e precisa passar por cima de diferenças para chegar ao final feliz.
Essa premissa funcionava muito bem até certo tempo atrás, mas, de uns anos para cá, dá sinais de cansaço especialmente por conta das conquistas das mulheres.
“Um Namorado para Minha Mulher”, de Julia Rezende (“Ponte Aérea”, “Meu passado me Condena”), se coloca numa encruzilhada: como ser fiel à tradição mas também respirar os ares da mudança? A incapacidade do filme de sair desse dilema que ele mesmo cria talvez seja em si sua percepção do papel da mulher no mundo contemporâneo.
O roteiro, assinado por Julia e Lusa Silvestre, é baseado num filme argentino de 2008 bem ruim --sim, na Argentina também existem filmes ruins, embora parte da cinefilia nacional finja que não-- que ganha mais fôlego aqui especialmente com a presença de Ingrid Guimarães, como a mal-humorada Nena, mulher de Chico (Caco Ciocler), que está cansado da insatisfação dela.
Meio pamonha e sem muita iniciativa, ele é incentivado pelo amigo cafajeste (Marcos Veras, num papel parecido com o seu em “Entre Abelhas”) a arrumar um homem para seduzir sua mulher e fazer com que ela (ao invés dele mesmo) peça o divórcio.
Tudo se resolve rápido, e ele encontra um sujeito que atende pelo nome de Corvo (Domingos Montagner, em seu terceiro filme este ano), estranho e misterioso que começa a seduzir a mulher.
O que se segue então é o básico do gênero. Não é preciso ter visto o original ou nenhuma das refilmagens - já houve uma italiana, uma mexicana e uma sul-coreana - para saber onde isso tudo vai parar.
A questão é: Nena é uma mulher interessante e inteligente que precisava apenas de um empurrãozinho para sair de casa (o marido lhe arruma um emprego com um amigo youtuber, interpretado por Paulo Vilhena), e descobrir que é muito mais do que aquela mulher ranzinza que passa o dia no sofá.
São necessários dois homens - o marido para arrumar um emprego e o “namorado” para lhe dar autoconfiança - para levar Nena a sair da sua acomodação, a descobrir seu potencial (já que fica bem famosa com o programa na internet) e tornar-se uma pessoa mais feliz.
“Um Namorado para Minha mulher” explora essa possibilidade de sua protagonista alçar novos voos, sendo independente e tudo mais. Mas quando o filme cede às regras do gênero, às quais faria bem quebrar, reafirma que uma mulher precisa de um homem para chamar de seu para se sentir completa.
Ingrid Guimarães, também creditada como colaboradora no roteiro, dá um show com um papel que abre diversas possibilidades de humor e também de um drama leve. A primeira metade - com a Nena infeliz, mal-amada e mal-humorada - é perspicaz em seu timing para a comédia, além de também comentário sobre o estado das coisas.

Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…