Pular para o conteúdo principal

Após 40 anos, irmãos se encontram na Argentina

Essa é a história do neto 121, que acaba de ser encontrado pela Avós da Praça de Maio.

Presidente das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, revelou o caso.
Presidente das Avós da Praça de Maio, Estela de Carlotto, revelou o caso.

Um tinha dois anos quando sequestraram seus pais na ditadura argentina, o outro estava prestes a nascer. Um foi resgatado e o outro, roubado. Um procurava seu irmão, o outro não sabia de sua origem. Depois de 40 anos, um teste de DNA permitiu o reencontro.

Essa é a história do neto 121, que acaba de ser encontrado pela organização Avós da Praça de Maio. Aos 40 anos, soube na segunda-feira (3) que é filho de desaparecidos.

"Ele nunca suspeitou. Nós tínhamos uma indicação e alguém da Conadi (Comissão Nacional pelo Direito à Identidade) se aproximou dele. E ele disse 'não tenho dúvidas, mas se vocês acham melhor assim (fazer o teste), eu faço'", contou a presidente das Avós, Estela de Carlotto.

Seus avós já faleceram, mas esse homem que descobre sua verdadeira identidade tem um irmão, Ramiro Menna Lanzilotto, que o procurava há décadas sem saber sequer se havia sobrevivido.

"Esse é um momento muito esperado pela família, mas por outro lado uma surpresa tremenda. Há situações que se pensa que esse momento nunca vai chegar, mas no final chega. Estamos muito comovidos e mobilizados", disse Menna, nesta terça-feira (4), à rádio Vorterix.

Ramiro Menna, um professor de 42 anos, e seu irmão, dois anos mais novo, que segundo a imprensa seria um médico de Buenos Aires, ainda não se viram diretamente.

"Ainda não o vi, nem falei com ele. Não sei o que fazer porque o que ele está vivendo é muito ruim. Ele soube às sete da noite (de segunda-feira) que não era quem pensava que fosse. É muito difícil e tenho que respeitar o processo que ele está vivendo e que não é nada fácil", afirmou o irmão mais velho.

Ambos são filhos de Domingo Menna, um dirigente do Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PRT, marxistas), e de Ana María Lanzilotto, uma militante do PRT. O casal foi sequestrado em 19 de julho de 1976, em Villa Martelli.

Graças aos testemunhos de sobreviventes foi possível descobrir que Lanzilotto, que estava grávida de oito meses, teve o bebê em uma maternidade clandestina.

Ramiro, que quando os pais foram sequestrados ficou desaparecido por três semanas, foi encontrado pelos tios em um orfanato de Buenos Aires. Eles o criaram e na adolescência contaram sua história.

De seu irmão sabe pouco. "Sei que tem dois filhos e que é calvo com barba, como eu", disse este homem.

"Conhecer a vida de Domingo Menna e Ana Lanzilotto para mim foi motivo de orgulho, exemplo. Meu peito encheu de orgulho e espero que meu irmão sinta o mesmo", concluiu.


AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…