Pular para o conteúdo principal

Animação 'Moana' renova apelo a empoderamento feminino

Cena do filme "Moana – um mar de aventuras", dos diretores John Musker e Ron Clements. (Divulgação
Por Neusa Barbosa
Mesmo sem título oficial de nobreza, Moana é uma típica princesa Disney – ou seja, símbolo do empoderamento feminino procurado pelo estúdio em animações como “Mulan” (98), em que uma garota chinesa se vestia de homem para tornar-se soldado, acompanhada de um dragão de estimação.
Na nova animação “Moana – um mar de aventuras”, a heroína-título não precisa de disfarces. Ela é a filha do chefe de uma ilha da Oceania e dela será seu posto quando o dia certo chegar. Tem animais de estimação, como o porquinho Pua e o galo Heihei. E também a aguarda uma jornada de superação.
Atrevida e talentosa, a Moana (voz de Auli’i Cravalho/Any Gabrielly) não falta coragem para encarar o mar, seu sonho. Mas, há centenas de anos, seu povo evita arriscar-se além de um cordão de recifes que protege a ilha. Moana gosta de navegar mas seu pai (Temuera Morrison), nervosamente, a proíbe. E sua avó (Rachel House), amante das tradições ancestrais, é quem a estimula a desafiar o tabu, lançando-se ao mar numa missão ao mesmo tempo mágica e ecológica, que poderia resolver uma inesperada crise alimentar afetando tanto os coqueiros quanto a pesca na região.
Mesmo não tendo um parceiro romântico – outro sinal dos tempos na mitologia Disney -, Moana encontra um aliado importante em sua saga: o semideus Maui (Dwayne Johnson), um espirituoso fortão, todo tatuado e ostentando um saiote de folhas e colar de dentes e pedras no pescoço. A figura robusta de Maui, aliás, rendeu algumas reclamações à Disney, já que, originalmente, o semideus é representado como um homem mais esguio. Além disso, houve quem enxergasse nessa forma roliça do personagem uma velada menção ao clássico estereótipo de obesidade que preconceituosos relacionam a povos nativos do Pacífico.
Encarnando um tipo bonachão, irônico, vaidoso e ambíguo, Maui a princípio resiste a formar uma dupla com a mocinha – embora, no momento, ele bem que esteja necessitado de ajuda para recuperar seu perdido cajado mágico, que lhe permitia assumir diversas formas animais.
Como foi Maui, de qualquer modo, quem rompeu o equilíbrio de forças na natureza quando, muito tempo atrás, apoderou-se do coração de pedra pertencente à deusa da fertilidade, Moana não desiste de obrigá-lo à jornada – até porque é essencial devolver este coração.
Suas aventuras transcorrem num barco em que o outro tripulante é o galinho Heihei, mais tonto impossível, o que funciona como alívio cômico sempre que a situação oferece perigo.
Dois pontos fortes na produção são a riqueza visual dos cenários naturais e marinhos e também as músicas, numa trilha assinada por Mark Mancina, Lin-Manuel Miranda (do premiado musical “Hamilton”), o cantor e compositor polinésio Opetaia Foa’li e sua banda, Ta Vaka.

Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …