Pular para o conteúdo principal

Convivência com a estiagem é tema de palestra na Unifor

A intervenção Vacas Magras, esculturas dos animais subnutridos, símbolos da seca, pode ser vista no Campus da Unifor ( Foto: Yago Albuquerque )
De uma coisa é consenso: a seca é um fenômeno climático natural que sempre existirá. A questão é quais os mecanismos, alternativas e estratégias para se conviver com ela, principalmente uma população de 23 milhões de pessoas do Semiárido nordestino. O assunto foi o principal indutor do debate realizado na Universidade de Fortaleza (Unifor), na manhã de ontem e integra a programação da intervenção Vacas Magras, em exibição no Campus da Instituição até o dia 30 de abril.
Na história do Brasil, desde o seu descobrimento, a região semiárida, que inclui oito estados nordestinos (com exceção do Maranhão) e mais o Norte de Minas Gerais, com pouco mais de 982 mil km², registra 72 anos de seca, sendo 32 delas plurianuais ou seja com mais de um ano com chuvas abaixo da média. "As temperaturas são altas, a evaporação é grande e todo ano corremos 60% de riscos de o ano ser mais um seco", aponta o coordenador da Articulação do Semiárido no Ceará (ASA/CE), Marcos Jacinto.
Ele acrescenta que desde o ano de 2012, mais de 1,4 mil municípios da região amargam as consequências da falta de precipitações. "E se não fossem as várias ações implementadas, estaríamos contando mortes, como as ocorridas antes da década de 90", aponta Jacinto.
É nesse contexto que se insere o trabalho desenvolvido pela artista plástica Márcia Pinheiro. Ela é idealizadora e autora da intervenção Vacas Magras, que objetiva chamar atenção fomentando o debate e conscientizando sobre os efeitos da estiagem, em especial, nos animais. Seu trabalho, esculturas em tamanho real dos animais subnutridos, símbolos da seca no sertão, pode ser visto na Unifor.
Ao todo, serão expostas 10 vacas, construídas em fibra de vidro e resina, durante todo o ano de 2016. Elas já ficaram expostas em várias avenidas de Fortaleza. "A seca é natural, mas não podemos ficar inertes perante seus efeitos", analisa a artista que informa o desenvolvimento de outro projeto, intitulado Água de Chuva, cujo objetivo é ativar poços em 20 comunidades rurais do Ceará.
A necessidade de políticas que fortaleçam a descentralização do uso da água foi destacada durante as falas de Marcos Jacinto, de Márcia Pinheiro e reconhecida pelo meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), David Ferran. "Nunca enfrentamos um momento tão crítico quanto o que estamos vivenciando agora, com quase seis anos com chuvas abaixo da média. É preciso guardar essa água e aliar às políticas públicas que garantam seu uso de forma sustentável", destaca.
Segundo Ferran, o Semiárido é uma região que precisa de um olhar diferente. "Em uma quadra que chegamos a 800mm (de chuva), por exemplo, a evaporação chega a três metros de toda água acumulada", comenta. Ferran frisa que Fortaleza é a única Capital da região abastecida pelo Semiárido. "As outras, como Recife, Salvador, recebem água da Zona da Mata", compara.
Para Marcos Jacinto, talvez esteja aí a razão da briga pela água. "O açude Orós, que já ajuda o Castanhão, está com pouco mais do que 11% da capacidade e essa água vem para a Capital. E aqui, a população não tem noção e desperdiça".
Importância
O vice-reitor de Extensão da Unifor, professor Randal Pompeu, destacou o tema das palestras e ressaltou a importância de colocar foco em um tema fundamental para o cearense. "E a Academia não pode ficar fora desse debate", pontua.
De acordo com o coordenador do Grupo de Estudos Organizacionais do Semiárido (Geosa) e professor do programa de Pós-Graduação em Administração da Unifor, Fábio Marquesan, que mediou o evento, a iniciativa representa uma oportunidade ímpar de envolvimento com a comunidade. "A palestra é uma chance de enriquecer o diálogo entre a Universidade e a comunidade local, reforçando o compromisso da Instituição em chamar a atenção para um fenômeno que afeta diretamente a população cearense há cerca de seis anos", pontua.
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

Projeto do escritor e professor cearense Gonzaga Mota doa livros para escolas públicas da Capital e do interior

Por Diego Barbosa,  Com a ação, Gonzaga Mota já circulou por 20 instituições, ora aumentando acervos, ora criando novas mini-bibliotecas Com facilidade, a porta em que está cravada a placa "Livros de escritores cearenses" escancara-se em nova visão. Do outro lado do anteparo, o olhar mira num aconchegante espaço, onde repousam, organizadas e coloridas, obras de toda ordem. São títulos tradicionais e contemporâneos, exemplares de poesias, contos, crônicas, romances. Em comum a todos eles, o DNA nosso: possuem assinatura de cearenses. E querem ganhar mais mundos, outras trilhas. Mantido pelo escritor e professor Gonzaga Mota, o gabinete da descrição acima é recanto de possibilidades. Desde o começo deste ano, o profissional mantém um projeto de doação de livros para escolas públicas de Fortaleza e do interior, almejando estender o raio de alcance da leitura, especialmente entre crianças e jovens. A vontade de fazer com que os volumes saltem da…