Empresa de lacres de segurança emprega detentas gestantes na RMBH

Para saber se estão aptas ao trabalho, as presas passam pela Comissão Técnica de Classificação (Jeniffer Cardoso)
O Centro Referência à Gestante Privada de Liberdade (CRGPL), em Vespasiano, conta com mais uma parceria de trabalho. No total, quatro empresas atuam na unidade. A fabricante lacres de segurança Lacrefix é a mais recente. Começou as atividades por lá no dia 5 de janeiro, conta com os serviços de três detentas e já tem a intenção de dobrar a produção.
Há 20 anos no mercado, a Lacrefix é responsável pela criação e venda de lacres de segurança de vários segmentos do mercado nacional. No Centro Referência, os lacres produzidos são de metal, destinados à proteção de cargas de caminhão, contêiner e transporte.
As presas trabalham 8h por dia, com a meta diária de quatro mil lacres, recebendo três quartos do salário mínimo e remição de pena - redução de um dia a cada três trabalhados. Para saber se estão aptas ao trabalho, todas elas passam pela Comissão Técnica de Classificação.
Para a diretora-geral, Eliane Aguilar, o trabalho para as mães privadas de liberdade é importante para a dignidade delas. “Algumas mulheres chegam à unidade sem o apoio da família, sem o suporte necessário. Então, o trabalho, além de suprir a falta de material para elas e para os bebês, dignifica e dá a oportunidade que muitas não tiveram.”
Esse é o primeiro trabalho que a gestante Poliana da Conceição faz dentro do Centro Referência.  “Gosto muito do trabalho. Eu posso ocupar a minha mente e remir a pena enquanto meu filho não nasce”.
Ressocialização
O Centro conta com mais três parcerias atualmente. A “Arte e Bolsas” é responsável pelo acabamento de bolsas promocionais; a Cabitec faz etiquetas para produtos industriais; e a Nutri Alimentação é responsável por todo alimento consumido na unidade.
Além das parcerias privadas, o Centro Referência conta com trabalhos internos, que são feitos por remição de pena, a exemplo dos serviços de faxina e das cuidadoras de crianças.
As cuidadoras são responsáveis pelos bebês das colegas que trabalham durante todo o período de atividade. Elas dão banho, fazem dormir e, quando é hora da amamentação, levam a criança até a mãe. Elas também são remidas da pena e recebem um valor estimado de dois reais por dia.

Agência Estado

Comentários

Mais Visitadas

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

Dentro da rotina das redes sociais, mulheres dividem as dificuldades e os pontos positivos de expor a maternidade

A Palavra Não

Livros com temática de direitos humanos são vandalizados na UnB