Acervo de Rachel de Queiroz passa por restauração e catalogação

Desde janeiro passado em terras cearenses, o acervo de Rachel de Queiroz que foi doado pelo Instituto Moreira Salles (IMS) para a Universidade de Fortaleza (Unifor) está em processo de restauração. O POVO visitou o setor de higienização da instituição cearense e acompanhou parte do processo de limpeza e restauro da coleção, prevista para ser aberta ao público em maio próximo. São mais de três mil itens recém-chegados do Rio de Janeiro e que ficarão disponíveis para visitação na Biblioteca Central da Unifor.
“A coleção é muito grande. Alguns livros estavam sendo bem manuseados, mas outros não estavam sendo bem cuidados e estão sem o dorso ou destruídos por insetos”, explica o restaurador Francisco Gomes do Nascimento. Apesar dos desgastes, Gomes destaca que a “maioria dos livros está numa condição boa”, revelando o cuidado que Rachel tinha pelas obras e que foi mantido pelo IMS. Mesmo assim, ele diz, todos os títulos – até os mais novos, de 2003 – estão passando por inspeção. “Eu pego livro e vou vendo folha por folha e (a obra) vai para uma máquina que suga a poeira. Depois fazemos um laudo para saber se o livro precisa de reparos”, detalha. A equipe é formada por quatro restauradores e Gomes justifica que mais dois serão contratados para que dê tempo a inauguração em menos de dois meses.
A bibliotecária Leonilha Lessa, que comanda a equipe responsável pelo acervo, pontua que, além da higienização, as obras passarão por um processo de organização para que a coleção tenha um “arranjo didático”. “Nossa biblioteca é universitária e, com essa coleção, toma outro rumo no sentido de receber a comunidade em geral, além de intelectuais e também grupos de escolas”, conta, apontando que haverá um esquema de agendamento.
 

Segundo a gerente, o arranjo será dividido assim: “As obras da própria Rachel, obras traduzidas por ela, livros com dedicatórias de escritores ilustres e uma parte importante que mostra o que ela gostava de ler”. Apesar de apontar a “alegria” de ter o acervo de uma “estrela”, Leonilha ressalta ser importante ir além e conseguir ler o que esses títulos contam. “Rachel é um destaque, mas quando você vai visitar uma coleção é importante entender que o contexto todo é o mais importante. As obras estão dentro de um período histórico-sociológico, que retrata muito a realidade do Brasil”, elucida.
Essa coleção é apenas uma parte de todo o acervo da escritora, que colecionava muitas publicações. O restante está dividido entre o Memorial 

Rachel de Queiroz, em Quixadá, e o acervo do bibliófilo José Augusto Bezerra, presidente da Academia Cearense de Letras. “A gente se orgulha muito, porque atualmente a coleção está toda no Ceará”, celebra. 
 (RENATO ABÊ) 

Outras preciosidades
A coleção conta com o livro Mafuá do malungo, de Manuel Bandeira, de 1948. Esta edição é de 110 exemplares em papel de linho e foi impressa para os amigos de Bandeira por João Cabral de Melo Neto.

O defunto, de Pedro Nava, de 1967, que teve tiragem limitada de 50 exemplares assinados pelo autor e pelo ilustrador José Júlio Calasans Neto.

O Quinze em tiragem especial da Confraria dos Bibliófilos do Brasil, de 1995. A publicação teve 250 exemplares, sendo o de Rachel o de número 217. É ilustrada com oito gravuras de Abraão Batista.

Xilogravura, de Lasar Segall. A publicação teve tiragem de 200 exemplares, em cartolina "Internacional" de 175 gramas. O livro é assinado por Jenny Klabin Segall, viúva do artista. 

O Povo

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Mostra inédita de Paul Klee começa quarta-feira em São Paulo