Acontece hoje o evento de lançamento da edição número 36 da Revista Entrevista, um dos mais tradicionais trabalhos do curso de Jornalismo da UFC

Acontece nesta terça-feira (28), a partir das 19h, no Auditório Raquel de Queiroz - localizado no Centro de Humanidades II da Universidade Federal do Ceará - o evento de lançamento da edição número 36 da Revista Entrevista, um dos mais tradicionais trabalhos do curso de Jornalismo da UFC.

A publicação - promovida pelo curso desde agosto de 1992 - desta vez assume um caráter particular: pela primeira vez, todas as entrevistadas são mulheres. Seguindo esse princípio, foram escutadas e perfiladas a cantora e jornalista Mona Gadelha; a cantora Kátia Cilene; a fotógrafa Karine Garcêz; a apresentadora Lena Oxa; e a jornalista Erilene Firmino.

De acordo com o jornalista Ronaldo Salgado, professor, idealizador e orientador do projeto, fazer a revista vir à luz com essa proposta diferenciada de recorte das personagens, pode contribuir para um maior olhar da sociedade quanto à pauta que está sendo reforçada no momento atual.

"A própria liberdade com que se escolheu o rol de entrevistados para a edição referenda essa possibilidade de empoderamento da mulher. A revista, então, ajuda a consolidar a importância feminina na contemporaneidade, além de ser inovadora, já que - dentre as mais de 170 entrevistas que foram realizadas ao longo dos anos - esta é a primeira vez que trazemos apenas mulheres", salienta.

Comemoração

Para além da singularidade já mencionada, a publicação chega com outro diferencial: celebra os 25 anos da revista. Perguntado, então, sobre a amplitude que a mesma ganhou com os anos em atividade, Ronaldo Salgado é enfático.

"Acredito que 25 anos foi tempo suficiente para que o projeto se tornasse um produto maduro, estável, do ponto de vista de uma produção jornalística. Como orientador do projeto, sinto-me satisfeito em fazer parte desse capítulo histórico da UFC", afirma.

Esse, aliás, é o sentimento que brota no profissional ao olhar para trás e ver o quanto a Revista ajudou a formar muitos jornalistas que hoje integram a imprensa local e nacional. "Ela possibilita, na vida de quem participa, não apenas o cuidado com a técnica jornalística em si, mas o desenvolvimento da responsabilidade social, da ética e do respeito para com as fontes", pontua.

Percepção

Sobre a ideia de enfocar apenas as trajetórias de mulheres, Claryce Oliveira, uma das entrevistadoras da edição, explica que o sentimento brotou a partir de uma curiosa percepção.

"Tendo acesso à última edição publicada, uma aluna percebeu que o número de mulheres entrevistadas era muito menor que o de homens, chegando até a calcular a diferença percentual: no total, as mulheres eram menos de 20% das fontes", contextualiza. "Decidimos a partir disso, então", completa.

Já a respeito da possibilidade de acessar a vida das pessoas contempladas com o projeto, a estudante comenta: "O sentimento que fica ao fazer parte de uma revista como a Entrevista é o mais simples e significativo que um estudante pode pedir: o da construção de um legado. Saber que um trabalho como esse pode alcançar tantas pessoas de diferentes formas reproduz um sentimento de grande gratificação, principalmente por ter revivido a história de cada uma das mulheres de perto", finaliza.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Há 220 anos, Ceará se emancipava de Pernambuco

Cenário da Economia

Jesus não precisava ser batizado

"Harry Potter" ajuda a salvar histórica Livraria Lello, em Portugal

Prefeitura de Salvador divulga atrações classificadas para Furdunço 2019