Ação educacional incentiva a leitura

Beberibe. Cerca de 300 pessoas, entre gestores escolares, professores e estudantes estão participando, do último dia 3 até amanhã (6), do Programa de Desenvolvimento de Educação, uma iniciativa do Instituto Brasil Solidário. O evento tem como principal finalidade ser uma ferramenta extra da sala de aula no incentivo à leitura, educação ambiental e ao empreendedorismo.

A ação, que vem sendo desenvolvida neste município, inclui também representantes de escolas municipais de Cascavel e Pindoretama. Conta com o apoio da iniciativa privada e dos governos estadual e municipal. A metodologia visa formar agentes multiplicadores, no sentido de expandir os métodos de ensino como modelo para replicar em outras escolas.

Avaliação

O coordenador do programa, Luis Salvatori, destaca a inserção como um importante passo para o desenvolvimento da educação. A iniciativa teve início em 1998 e, de lá para cá, conforme salientou, houve um acentuado crescimento nos indicadores de avaliação do ensino. Além de se fazer um planejamento anterior de atividades de relevante importância para educadores e alunos, há um acompanhamento ao longo de um ano para verificar o desempenho das práticas desenvolvidas na escola modelo. Em Beberibe, a ação ocorre na Escola de Ensino Fundamental Desembargador Pedro de Queiroz, localizada na Rua José Bessa, Centro.

As salas e outros compartimentos da unidade de ensino são ocupadas para realizações de oficinas, que vão desde a exposição de artigos artesanais, ao reaproveitamento de materiais recicláveis, oficinas de carpintaria (a ser destinada, sobretudo, em estantes da biblioteca da escola), além de instrução sobre fotografia e orientações acerca do incentivo à leitura.

Meia hora

A coordenadora de Incentivo à Leitura, Zenaide Campos, chama a atenção que um dos principais méritos do projeto é fazer com que a leitura faça parte de forma muito pessoal da vida não apenas da escola como de toda a sociedade. Desse modo, gestores e educandos são estimulados a agir como agentes multiplicadores, com a finalidade de expandir o gosto pela leitura, não apenas por meio dos livros, como também em diferentes plataformas, incluindo e-book e material cultural percebido por meio da pesquisa pela internet, em computadores, tablets e smartfones. Uma das práticas marcantes tem sido a dedicação de meia hora do período escolar diário para a leitura. Em dias determinados, há uma inter-relação com todos os participantes do projeto para que essa ação se repita simultaneamente, chegando a envolver cerca de 130 mil pessoas em todo o País.

O método já está consolidado em 25 municípios cearenses. Segundo Luis Salvatori, a ideia é fazer com que os educadores possam conhecer o projeto de mobilizar e somar, utilizando recursos e linguagens simples, aproveitando o que a escola e a comunidade já oferecem no contexto cultural, educacional e político.

Além da capacitação e formação continuada de atividades durante todo o semestre, a escola modelo recebe ainda todo o apoio de estrutura material para potencializar as ações do projeto, sendo contemplada com uma biblioteca que conta com um acervo de mais de 500 livros literários, prateleiras, espaços ambientais e uma rádio completa com equipamentos de comunicação como câmeras fotográficas, rebatedores e tripés para produção de material audiovisual. O projeto objetiva ainda promover a doação de livros.

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

São Francisco Xavier

MEU PROFESSOR: MEU SUPER-HERÓI

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

Uece pronta para seu maior evento cientifico e cultural: XXIII Semana Universitária