Pular para o conteúdo principal

Bienal do Livro teve abertura nesta sexta

Com público lotando o Centro de Eventos e com homenagens a Bule Bule, Geraldo Amâncio e Leandro Monteiro de Barros, XII Bienal Internacional do Livro do Ceará foi aberta nesta sexta, 14/4

Com grande presença de público, a XII Bienal Internacional do Livro do Ceará teve sua abertura na noite desta sexta-feira, 14/4, no Auditório Mestres e Mestras da Cultura do Ceará, no Centro de Eventos, com participação do governador Camilo Santana. Um cortejo de artistas, homenagem ao mestre Bule Bule, ao poeta e repentista Geraldo Amâncio e ao poeta popular Leandro Gomes de Barros (in memoriam), além do espetáculo de dança “Religare”, da Edisca, marcaram a abertura do evento. Desde o começo da tarde, um grande público já aproveitava o feriado para conferir atividades da Bienal, incluindo a feira de livros. O volume de pessoas seguiu crescendo, ao longo da tarde e da noite, chamando atenção pela grande movimentação já no primeiro dos 10 dias de evento.
Foto: Felipe Abud
A XII Bienal Internacional do Livro do Ceará é realizada pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), em parceria com o Instituto Dragão do Mar, e apresentada pelo Ministério da Cultura e pelo Bradesco. A programação continua até o domingo, 23, no Centro de Eventos do Ceará e em múltiplos espaços de Fortaleza, com entrada franca em todas as atividades.
A abertura da Bienal foi marcada pela poesia popular e pela cultura nordestina, no auditório que abrigará as rodas de saberes com os mestres e mestras da cultura cerense nos próximos dias. Durante a solenidade de abertura, o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, aproveitou para destacar em versos a importância do livro.

Nós e os livros

“Os livros têm orelhas para nos ouvir. Os livros têm palavras para conversar, para a gente receber as histórias que moram dentro das palavras e as palavras das histórias que moram dentro da gente. Os livros têm estrelas para seguir. Têm pensamentos para contestar. Os livros têm mais que ideias pra gente conhecer os pensamentos que moram dentro das palavras e as palavras dos saberes que moram dentro da gente. Os livros têm labirintos pra se perder. Os livros têm caminhos pra se encontrar. Os livros têm mais que pessoas para a gente ser o outro que mora dentro das palavras e as palavras do outro que moram dentro da gente. Os livros têm contos para tecer. Os livros têm veredas para desvendar. Os livros têm mais que ilusões pra gente crer nos sonhos que moram dentro das palavras e nas palavras dos sonhos que moram dentro da gente”, declamou ao público.
“Envolvidos com esse universo, o mundo do livro e todos seus suportes, e da experiência da leitura, abrimos a 12ª edição da Bienal Internacional do Livro do Ceará, que começa hoje e vai até o dia 23 de abril, no Centro de Evento e em outros espaços da cidade de Fortaleza e do Interior com o projeto Bienal Fora da Bienal. Tal qual um mote de cantoria, o tema que move toda a programação é ‘Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca’. Esse mundo que mora dentro da gente e fora do nosso corpo”, destacou sobre o evento.

Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca

Durante a abertura, o gestor aproveitou também para explicar o tema da tema da Bienal “Conforme o escrito Jorge Luís Borges, o livro é uma extensão da memória e da imaginação. O livro é a obra substancial criada pelo autor. Dito isso, podemos afirmar que somos seres compostos de histórias, de imaginação, de sentimentos, de pensamentos e de saberes. Somos autores. Cada um de nós é um livro. Junto compomos um acervo humano. Por essa razão e sentimento, convidamos escritores e escritoras de diversos gêneros literários, de áreas distintas do conhecimento acadêmico e popular, bem como expressões artísticas que fazem a programação da Bienal”, ressaltou.
Os vários ambientes e a ampla programação da Bienal foram outro destaque do secretário Fabiano dos Santos Piúba. “Os ambientes da Bienal foram pensados para que todas as pessoas possam se encontrar no universo cultural e educativo do livro e da leitura. O próprio espaço da programação infantil é um ambiente intergeracional, de adultos e crianças, para educadores e alunos, pais e filhos, avós e netos possam juntos compartilhar leituras”, acrescentou.
“No espaço Juventude Fantástica, os adolescentes vão interagir com jogos de intepretação, como RPG, jornadas épicas e clássicos de obras da literatura fantástica, além do sarau de poesia e hip hop. Há também a Praça do Cordel, tradicional em nossa Bienal, com feira de literatura, folhetos, livros, xilogravuras, cantorias e declamações. A novidade dessa Bienal é um espaço exclusivo para os mestres da Cultura, que irão compartilhar seus saberes e fazeres.Esses são apenas alguns espaços que somam a programação da Bienal, além do Café Literário, o espaço do ilustrador, a Praça Mário Gomes, o espaço de ciência e inovação da Secitece, além do espaço reservado para o Encontro das Bibliotecas, dos Agentes de Leitura e do ambiente para a construção do Plano Estadual de Livro e Leitura”, continuou.
“Serão 10 dias lindos e envolventes para a democratização do acesso ao livro, a promoção da leitura e formação de leitores , a valorização de escritores e escritoras, no fomento da economia do livro do Brasil. Nossa Bienal é um ambiente de políticas públicas de livro, leitura, literatura, biblioteca e suas dimensões culturais, educativas sociais e econômicas. O acesso é gratuito em todas as atividades. Serão 160 escritores, 300 convidados, 350 editoras, 80 mil títulos dispostos em 110 estandes, gerando em torno de 2 mil empregos diretos e indiretos ao longo do evento, com uma movimentação estimada em R$5 milhões no mercado do livro”, finalizou o secretário.

Uma Bienal que ficará para história

Já o governador Camilo Santana aproveitou para dizer que esta edição da Bienal ficará marcada no calendário do Estado. Ele fez uma visita ao espaço da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará e passou pela feira do livro, cumprimentando várias pessoas que circulavam pelo espaço. “Fico feliz que em pleno feriado ter o auditório lotado, uma feira de livros lotada. Essa Bienal é um dos maiores eventos desse País”.
Foto: Felipe Abud

O governador reiterou o compromisso de, até o final de seu mandato, garantir o recurso de 1.5 % do orçamento do Estado para a pasta da cultura e falou sobre a reforma da Biblioteca Pública do Estado. “Quero anunciar um presente pro Ceará. Vamos entregar ainda este semestre a Biblioteca Pública totalmente reformada”, anunciou.

Bienal dos afetos

O curador da Bienal, Lira Neto, representando os demais curadores, falou sobre a proposta do evento. “Pensamos numa bienal que investisse na qualidade literária, mas também na diversidade, para que não houvesse discriminação de classe, cor, orientação sexual. Queríamos que fosse a Bienal da diversidade. Acho que essa será uma bienal de troca de afetos e fico feliz com isso, vendo a Bienal lotada no feriado. Vamos fazer a melhor bienal de todos os tempos”, declarou.
Estiveram também presentes na Bienal o secretário da Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Ceará, Inácio Arruda; o secretário do Meio Ambiente do Ceará, Artur Bruno; o Controlador e Ouvidor Geral do Estado, Flávio Jucá; o reitor da Uece, Jackson Sampaio; a coordenadora geral da Bienal pela Secult, Mileide Flores; os curadores da Bienal, Lira Neto, Cleudene Aragão e Kelsen Bravos; e o presidente do Instituto Dragão do Mar, Paulo Linhares.
Representando os apoiadores da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará estiveram o diretor da Grendene, Emílio de Moraes Neto; a representante da Câmara Cearense de Livros, Albanisa Dummar; o presidente da Associação Nacional de Livrarias, Bernardo Gurbanov; e o representante do Diário do Nordeste, Pádua Lopes.
COMUNICAÇÃO - SITE_COMUNICACAO
XII BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DO CEARÁ

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

15 de novembro de 1889

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

O mundo reconciliado em Cristo

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado