Hamlet

Grecianny Carvalho Cordeiro*

Voltemos a Shakespeare, o dramaturgo inglês que até hoje intriga estudiosos e leigos pela riqueza de sua obra, sempre atual, apesar do passar dos tempos.

Quem nunca ouviu falar de Hamlet?

“Ser ou não ser? Eis a questão.”

Ou ainda a célebre frase: “existe algo podre no reino da Dinamarca”.

E a cena do príncipe segurando um crânio na mão? Quem não lembra?

Hamlet, príncipe da Dinamarca, vivia atormentado em virtude da morte do pai, notadamente após descobrir que o mesmo fora assassinado pelo próprio irmão, Cláudio, que viria a assumir o trono e desposar a rainha viúva, Gertrudes.

Hamlet finge estar louco para assim idealizar a melhor vingança.

E nessa fingida loucura, que parece real, muitas tragédias ocorrem, em especial, a morte de Ofélia, por quem Hamlet era apaixonado.

Loucura e sensatez. Amor. Ódio. Traição. Intrigas palacianas. Mortes. 

"Há mais coisas no céu e na terra, do que pode sonhar tua filosofia."

Shakespeare fazia uso de elementos fundamentais a qualquer bom enredo, mas somente ele possuía a maestria de utilizá-los com proeza e sabedoria, e por isso suas tragédias até hoje nos encantam.

Porque “o resto é silêncio”.


*Promotora de Justiça e Escritora

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

14 etnias não têm seu idioma original preservado no Estado do Ceará

Adjetivando a vida