Indagações

Gonzaga Mota*
Com certeza esta manhã é a primeira do meu fim. Todavia, espero que não seja a última da minha vida. Com as bênçãos do Senhor, desejo viver mais para tentar amar, fazer o bem; ter fé e esperança; como também pedir e agradecer. Assim, deve-se buscar viver num ambiente onde prevaleçam a amizade e a solidariedade e não o interesse e a falsidade. Ademais, ser feliz não é simplesmente ter uma existência boa, mas a convicção de que apesar dos desafios e das dificuldades é importante viver. Dentro desta linha de raciocínio, apresenta-se um poema/prosa, fugindo dos aspectos formais, sem rima e sem métrica, consubstanciando indagações para refletir e, se possível, alcançar uma vida melhor. Talvez! Eis o texto, formado por 10 estrofes, sendo um terceto, oito dísticos e uma quadra: 1) A vida é um belo dom. Não se sabe a hora da partida. Passa rápido como o som. 2) Por quê ambicionar o poder? Mais vale cumprir o dever. 3) Por quê, cada vez mais, buscar o dinheiro? Importante é ser um cidadão inteiro. 4) Por quê tanta vaidade? Nunca traz felicidade. 5) Por quê a inveja? Atitude que nada almeja. 6) Por quê a ausência da solidariedade? Comportamento que leva à deslealdade. 7) Por quê a humildade? Sentimento que demonstra bondade. 8) Por quê a harmonia? Para se alcançar a sabedoria. 9) Por quê combinar fé e razão? Visando obter a verdadeira união. 10) A vida é para amar e servir. Apesar da indesejada rapidez. Vale a pena viver com lucidez. Pensando sempre no porvir. Convém lembrar, respectivamente, Manuel Bandeira e Fernando Pessoa: “Vivo nas estrelas porque é lá que brilha a minha alma” e “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena”.  

*Professor aposentado da UFC

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado