Identificam ferida de lança no corpo envolto pelo Santo Sudário e Sudário de Oviedo

MADRI, 06 Abr. 17 / 08:00 am (ACI).- O Santo Sudário de Turim e o Sudário de Oviedo não só envolveram a mesma pessoa, como também indicam que esta “sofreu um ferimento” em um dos lados depois de morto, o que concorda com o Evangelho de São João, quando relata o momento em que um centurião romano perfurou o lado de Cristo, informou a Universidade Católica de Murcia (Espanha).

A Universidade Católica de Murcia (UCAM) indicou em 31 de março que chegaram a esta conclusão depois do estudo médico-forense dirigido por Alfonso Sánchez Hermosilla, pesquisador deste centro de estudos.

Sánchez Hermosilla é médico forense do Instituto de Medicina Legal de Murcia, diretor da Equipe de Pesquisa do Centro Espanhol de Sindonologia (EDICES) e assessor científico do Centro Internacional de Sindonologia de Turim.

O estudo “sobre o Sudário de Oviedo e o Sudário de Turim foi realizado conjuntamente” e “não só confirma que ambos envolveram a mesma pessoa, como também, que depois de morto e em posição vertical, sofreu um ferimento profundo que travessou o tórax direito, com a entrada pela quinta costela e saída pela quarta, perto da coluna vertebral e da escápula direita, deixando marcas de coágulos de sangue e líquido pericárdico em ambos os panos (no Santo Sudário pelo seu contato com os orifícios da entrada e da saída, e no Sudário de Oviedo com o da saída)".

Isto, indicou a UCAM, “está de acordo com o que foi relatado no Evangelho de João, que no capítulo 19, versículos 33-34 diz: ‘Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas. Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água’”.

Para chegar a essa conclusão foram realizados “estudos antropométricos, criminalísticos, anatômicos e anatomopatológicos do Santo Sudário de Turim e do Sudário de Oviedo”. “Seus resultados supõem novas descobertas da Equipe de Pesquisa da UCAM que está estudando o Sudário de Oviedo e que anteriormente encontrou outras evidências de que ambos os tecidos envolveram a mesma pessoa”, indicou em seu site.

A UCAM informou que foram realizados “estudos do sangue, a presença de pólens, conservação do material do tecido (linho) e a determinação de contaminantes orgânicos e inorgânicos”.

“As manchas de sangue que foram estudadas sempre estiveram lá, mas ninguém as havia estudado, e são as únicas com essas características. Até o momento, foram atribuídas a marcas causadas pelas feridas da flagelação”, assinalou Sánchez Hermosilla.

Nesse sentido, a universidade explicou que “as manchas advertidas pelos pesquisadores e nas quais se centra o estudo compartilham características comuns e são muito diferentes do resto, pela sua morfologia e complexidade depois da sua análise macroscópica, como uma alta concentração hemática no centro e um cerco mais claro e perfilado”.

“Além disso, esta mancha se torna invisível quando é observada sob um filtro infravermelho, como normalmente acontece nas manchas causadas pelo sangue de cadáver, ao contrário do que ocorre com o sangue de uma pessoa que está viva (...). No Sudário existe apenas outra mancha com características semelhantes, chamada ‘Mancha em acordeão’, atribuída à mesma origem com mácula e, consequentemente, do tecido ter sido dobrado várias vezes em várias ‘partes’, ficando sobre o inverso da grande mancha central” acrescentou.

A UCAM informou que o estudo descreve com detalhe “os tecidos e órgãos que atravessaram o objeto pontiagudo em sua hipotética trajetória” e apoia “a hipótese de que quem administrou o ‘golpe de graça’ tinha experiência, pois ao colocar a folha da arma na posição horizontal poderia evitar facilmente as costelas, sem ter que tentar várias vezes, algo que aparentemente não aconteceu, pois não aparece o que denominamos na Medicina Forense ‘marcas das lesões’”.

A Universidade recordou que “antes desta nova descoberta, e também durante esta investigação, foi descoberto no Sudário de Oviedo um grão de pólen de uma planta que, segundo a paleóloga da EDICES, Marzia Boi, é compatível com a espécie botânica Helicrysum Sp., também identificada no Sudário de Turim”.

“Também descartaram que se tratava de uma contaminação posterior, pois está aderido ao sangue; ou seja, chegou à relíquia ao mesmo tempo que o sangue, não foi de forma aleatória”, afirmou.

A equipe liderada por Sánchez Hermosilla foi formada por Jesús García Iglesias, professor de Minas da Universidade de Oviedo, assim como pelos membros da EDICES, Marzia Boi, paleóloga e bióloga; Juan Manuel Miñarro, professor no Departamento de Escultura da Universidade de Sevilha; Antonio Gómez Gómez e Felipe Montero Ortego.

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado