Manifestações e homenagens marcam cerimônia da Inconfidência em Ouro Preto

Cerimônia teve como principal homenageado, in memoriam, o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela (Veronica Manevy/Imprensa MG)
A defesa da luta incessante pela liberdade, pela justiça social, a democracia e a igualdade de direitos marcaram o discurso do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, nesta sexta-feira (21/4), durante a solenidade de entrega da Medalha da Inconfidência em Ouro Preto, Território Metropolitano. A cerimônia teve como principal homenageado, in memoriam, o ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela. 
A professora Valdênia Geralda de Carvalho, Diretora Administrativo-Financeira da Dom Helder, foi uma das agraciadas com a Medalha da Inconfidência Foi a segunda vez que ela recebeu a condecoração. Em 2012, Valdênia foi uma das homenageadas pelo então governador Antônio Anastasia. 
Cerca de 130 dos 171 homenageados participaram da solenidade. Celebridades da Globo como Wagner Moura, Camila Pitanga, Letícia Sabatella e Marieta Severo não compareceram para receber a condecoração.O ato foi marcado pela falta de participação popular. Professores da Rede Estadual de Minas protestaram contra as reformas propostas pelo Governo Federal. Aplausos só ocorreram quando foram chamados o técnico do Cruzeiro, Mano Menezes, e a cantora Fernanda Takai.
Lava Jato
Dos cinco políticos denunciados nas delações premiadas da Lava Jato e que seriam homenageados hoje com a medalha, apenas um compareceu: Renan Filho, governador de Alagoas e filho do senador Renan Calheiros.
Os ausentes foram os governadores Flávio Dino (do Maranhão), Rui Costa (da Bahia), Tião Viana (do Acre) e Ricardo Vieira (da Paraíba), além do deputado federal mineiro Fábio Ramalho.
Discurso
Durante discurso, Pimentel destacou os exemplos de Mandela e Tiradentes como dois dos principais líderes a serem seguidos para “superar as dificuldades e os impasses surgidos na sociedade”.
“Estamos hoje aqui reunidos para celebrar a memória de dois homens, dois heróis, dois símbolos.  Tiradentes, nosso patrono, e Nelson Mandela, nosso homenageado. Ambos são personagens que permanecem no Panteão da História representando o ideal mais sublime da cidadania, o valor mais sagrado de qualquer Nação: a liberdade”, disse.
O governador afirmou ser dever histórico relembrar o suplício a que Tiradentes foi submetido em 21 de abril de 1789, assim como os 27 anos de prisão arbitrária e injusta impostos à Nelson Mandela.
“Nesta marcha tormentosa do século 21, vamos encontrar, na personalidade singular de Nelson Mandela, uma referência que, trazendo o drama existencial de Tiradentes para o nosso tempo, sintetiza a saga daqueles que lutam pela dignidade humana e se sacrificam pela liberdade e pela paz”.

Redação Dom Total

Comentários

Mais Visitadas

Erasmo Carlos tem retratados seus dias de Jovem Guarda em 'Minha Fama de Mau'

Monteiro Lobato é tema de contação de histórias em livrarias de São Paulo

Filme 'No Portal da Eternidade' faz da loucura do artista Vincent van Gogh um caso de lucidez

Vocação de pescadores de homens

Mostra inédita de Paul Klee começa quarta-feira em São Paulo