Pular para o conteúdo principal

Museu da Fotografia realiza workshop e palestra com fotojornalista Evandro Teixeira

O fotojornalista Evandro Teixeira: mais de 50 anos dedicados à profissão e coberturas marcantes
Inaugurado em março deste ano, o Museu da Fotografia já ocupa espaço relevante no contexto cultural do Estado, como um importante equipamento no campo das artes visuais. Após apresentar seu acervo à população, o equipamento agora realiza sua primeira atividade de formação, voltada tanto a profissionais e estudantes de fotografia quanto para o público em geral apaixonado pela linguagem.
Neste sábado o Museu recebe o fotojornalista Evandro Teixeira para ministrar o workshop "Como trabalhar a fotografia para jornal". No mesmo dia, ele participa da segunda edição do Papo Fotográfico, com o tema "A importância da fotografia no contexto da história", também no Museu.
Inédito em Fortaleza, o workshop tem vagas limitadas. Interessados devem fazer a inscrição na recepção do Museu, até sábado (29), das 12h às 17h - ou até o limite de vagas ser atingido. O valor da inscrição é de R$ 100, com pagamento somente em espécie.
Já a palestra contará com mediação dos editores de fotografia Eduardo Queiroz (Diário do Nordeste) e Francisco Fontenele (Jornal O Povo), com início às 14 horas, no auditório do Museu. A entrada é por ordem de chegada, a partir das 12h, e o evento é gratuito, mas para ter acesso é preciso pagar o ingresso do Museu (R$ 10).
Carreira
Evandro Teixeira atua no fotojornalismo há mais de 50 anos, e sua carreira conta com momentos marcantes, a exemplo da cobertura da chegada do general Castello Branco ao Forte de Copacabana durante o golpe militar no País, em 1964; a repressão ao movimento estudantil contra a ditadura, no Rio de Janeiro, em 1968; a queda do governo Salvador Allende, no Chile, em 1973; além da cobertura de vários Jogos Olímpicos e Copas do Mundo.
Nascido na cidade baiana de Santa Inês, em 1935, Evandro Teixeira iniciou sua carreira jornalística em 1958, no jornal O Diário de Notícias, em Salvador, transferindo-se depois para o Diário da Noite, no Rio de Janeiro, onde se radicou e mora até hoje.
Em 1963, ingressou no Jornal do Brasil, onde se tornou referência nacional em sua área de atuação. Trabalhou no JB durante 47 anos, deixando o jornal apenas em 2010, quando o mesmo interrompeu sua circulação impressa para se concentrar apenas na edição online.
Profissional versátil, Evandro destacou-se em diversos campos da cobertura jornalística, desde os temas políticos até a fotografia de esporte.
É autor dos livros "Fotojornalismo" (1983); "Canudos 100 anos" (1997); e "68 destinos: Passeata dos 100 mil" (2008), sobre integrantes da celebrada manifestação de protesto à Ditadura Militar, que Evandro fotografou quatro décadas antes.
Sua mais recente publicação é "Retratos do tempo", lançada em 2015. O livro, realizado em parceria com a editora Edições de Janeiro, reúne em torno de 160 fotografias que marcam sua trajetória de mais de cinco décadas dedicadas ao fotojornalismo.
A publicação traz ainda testemunhos como o do escritor Ruy Castro: "Um livro abrangente, que compreende os principais temas e cenários de uma extraordinária carreira fotográfica. 'Retratos do Tempo' é surpreendente a cada virada de página. Era o que faltava para podermos nos debruçar sobre a obra de Evandro Teixeira", escreve.
Programação
Workshop
"Como trabalhar a fotografia para jornal", com Evandro Teixeira. Sábado (29), das 9h às 12h, no Museu da Fotografia Fortaleza (R. Frederico Borges, 545, Varjota). Valor: R$ 100 (somente em espécie). Inscrições até sábado (29) - ou até se esgotarem as vagas - na recepção do Museu, das 12h às 17h.
Palestra
"A importância da fotografia no contexto da história". Sábado (29), às 14h, no Museu da Fotografia Fortaleza. Gratuito (mas para entrar no Museu é necessário pagar o ingresso de R$ 10), por ordem de chegada. Contato: (85) 3017.3661
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Corpo do Jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na terça-feira

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil* O corpo do jornalista Carlos Heitor Cony deve ser cremado na próxima terça-feira (9), no Memorial do Carmo, segundo a Academia Brasileira de Letras (ABL), respeitando o desejo do imortal. Cony morreu ontem (6), aos 91 anos, vítima de falência múltipla dos órgãos após dez dias de internação. Segundo a ABL, como a morte ocorreu em um fim de semana, procedimentos jurídicos e administrativos terão que ser resolvidos nesta segunda-feira (8). Após a cremação, suas cinzas devem ser lançadas em um local que remete a sua infância. Também a pedido do jornalista, seu corpo não foi velado na sede da academia. A amiga e também jornalista Rosa Canha disse que Cony desejava uma cerimônia íntima. "Ele não queria velório, não queria missas nem nenhum tipo de homenagens. Ele pediu muito que fosse uma cerimônia apenas para a família".  Saiba MaisTemer lamenta morte do jornalista Carlos Heitor Cony Carlos Heitor Cony nasceu no Rio em 14 de março de 1926.…

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …