Paginário: uma biblioteca pública mutante no Maloca Dragão

Se a leitura é vista como um exercício solitário e individual, o objetivo do projeto Paginário é justamente desconstruir essa visão. Sob curadoria da artista local Fernanda Meireles, fortalezenses são convidados a levar páginas de seus livros preferidos para compor o que a Fernanda chama de “pequena biblioteca pública mutante”. A montagem do Paginário, que acontece no dia 30, domingo, faz parte do festival Maloca Dragão 2017, porém, o “mural” permanecerá disponível para visita e para intervenção após o fim do evento.
Para ter as páginas de sua obra preferida no Paginário, basta tirar xerox de 10 delas e levá-las no dia da montagem com o nome da obra escrito na parte de baixo da folha ou escaneá-las e enviar para o email da curadora (acgrandeonda@gmail.com). Antes da criação do Paginário, haverá uma conversa com o escritor Leonardo Villa-Forte, que desenvolveu o projeto no Rio de Janeiro com os amigos Rodrigo Lopes e Ana Hupe em 2014.
O mural será montado em uma das paredes do Cinema do Dragão, próximo ao café, um local tipicamente de encontro, o que permitirá que as pessoas continuem lendo as páginas e acrescentando suas preferidas após o fim da Maloca. Com o tempo passando, as páginas que serão coladas neste domingo irão descolar, deixando espaço para uma constante intervenção.
Fernanda acredita que “todos os artistas estão contando histórias, sejam sonoras ou visuais”, entretanto, a literatura é tipicamente colocada em um “pedestal” e não é vista como algo acessível e coletivo. Para ela, até mesmo a representação do escritor, sempre uma figura isolada e iluminada, pode ser transformada. Trazer o Paginário para Fortaleza é então uma proposta para repensar a leitura e torná-la uma atividade divertida, coletiva, pública, urbana e possível.

Serviço
Paginário no Maloca Dragão
Quando: 30 de abril, domingo, às 17h30
Onde: Auditório do Dragão do Mar (R. Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema)
Mais informações: http://bit.ly/2qiV4YG e http://paginario.com.br
MARIAH COSTA
O Povo

Comentários

Mais Visitadas

As dores da humanidade

Tudo começa com o caderno de caligrafia

Missão da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

Livro aborda a memória crítica da escravidão

Bancário faz sua estreia como escritor