Pavilhão da Bienal, em São Paulo, evento internacional reverbera perspectivas de mercado e produção artística para 2017

Obra “Fungos1 (séria Carnaval)”,de CarlosVergara,da GaleriaPinakotheke ( Foto: Pinakotheke )
Não é ousadia afirmar que o pontapé inicial do mercado de arte nacional deste ano foi dado nos últimos quatro dias em São Paulo. Isto porque, de 6 a 9 de abril, estiveram expostas mais de 4 mil obras no Pavilhão da Bienal, que recebeu, na ocasião, a 13ª SP-Arte. Um total de 159 galerias, incluindo 44 estrangeiras, se transportou para o ambiente, apresentando trabalhos que vão do século XIX até os tempos atuais, num ciclo de reinvenção que conta e reflete a história da humanidade.
Fernanda Feitosa é a idealizadora e diretora da feira que ganhou o status de festival pela amplitude conquistada após mais de uma década de realização. Para se ter uma ideia do que a SP-Arte é capaz de gerar, em 2016, foram mais de R$ 200 milhões movimentados neste segmento a partir das negociações feitas durante e após a 12ª edição.
"É um momento muito importante, principalmente porque ela é realizada sempre no início do ano. Ela é crucial para esse começo de temporada. Uma celebração que pontua o que acontece nesse mercado, e a gente espera que, ao longo do ano, as reverberações continuem acontecendo", destaca Fernanda, sem fazer arriscar previsões tendo em vista o contexto de crise.
Mais de 30 mil visitantes eram esperados para o momento. Lá, eles encontraram galerias de Nova York como David Zwirner, Marian Goodman e Alexander Gray; de Londres, estavam Lisson, Stephen Friedman e White Cube; da Itália, Franco Noero, Continua e Cardi; de Berlim, neugerriemschneider e Gregor Podnar; e da América Latina, nomes como Collage Habana (Havana), El Museo (Bogotá), kurimanzutto (Cidade do México) e Sur (Montevidéu).
No campo nacional destacaram-se galerias como Almeida e Dale, Bergamin & Gomide, Casa Triângulo, Dan, Fortes D'Aloia & Gabriel, Gustavo Rebello, Luciana Brito, Luisa Strina, Mendes Wood DM, Millan, Paulo Kuczynski, Pinakotheke e Vermelho.
Linguagens
Ainda que a feira por si só represente uma "celebração", a SP-Arte vai além do que as negociações econômicas podem proporcionar. Na programação, este ano conectada com outros espaços da cidade nos dias que antecederam o evento, inclusive, houve espaço para performances, lançamentos de livros e também para os "Talks", conversas organizadas em parceria com a revista ARTE!Brasileiros, que reuniu artistas, colecionadores, críticos e curadores em encontros gratuitos para promover uma reflexão sobre a cena artística.
Sobre as novidades desta edição, o destaque foi para o Repertório, curado por Jacopo Crivelli Visconti. O setor foi criado com o intuito de apresentar artistas brasileiros e internacionais fundamentais para a compreensão das práticas artísticas contemporâneas, com nomes ainda pouco reconhecidos pelo público. A seleção respeitou um recorte cronológico - os artistas escolhidos nasceram antes dos anos 1950, e as obras apresentadas foram produzidas até o final da década de 1980.
Entre os artistas estão Pino Pascali, ligado à ArtePovera; Richard Long, um dos mais importantes artistas ingleses da segunda metade do século XX; e Lothar Baumgarten, alemão com uma obra profundamente influenciada pela paisagem, história e cultura amazônica brasileira. Do Brasil, os destaques foram o fotógrafo baiano Mario Cravo Neto, falecido em 2009, Rubem Valentim e Guilherme Vaz, carioca e um dos pioneiros da arte conceitual e sonora.
Voltado a mobiliário, iluminação, antiquário e objetos, o setor Design voltou a expor o melhor da produção nacional em sua segunda edição. Em 2017, ele expandiu o número de participantes, trazendo o retorno de galerias como Artemobilia, ETEL, Firma Casa, Hugo França, Mercado Moderno, Ovo e Pé Palito, além de estreantes como Apartamento 61, Herança Cultural, Lumini e Resplendor.
Investir nessa pluralidade é uma ação vista como um dos principais aprendizados desses 13 anos de evento. "Ao longo desse período a gente foi aprendendo primeiro a abrir os olhares, a estar aberto para movimentos diferentes, visões diferentes do mundo e visões de mundo diferentes também. Estamos abertos a manifestações artísticas sobre vários suportes, obras feitas com livro, escultura, pintura, instalação, vídeo-arte, performance. Isso vai treinando você para se manter atento com o que acontece ao seu redor", conclui a idealizadora da SP-Arte, Fernanda Feitosa. Leia mais na página
Ceará
Nenhuma galeria cearense expôs na SP-Arte. Os trabalhos de artistas da terra, no entanto, marcaram presença no evento (a Pinakotheke mantém, em Fortaleza, a Multiarte, mas esteve presente com sua marca do Sudeste).
Duas obras de Leonilson, uma de 1984 e outra de 1985, ambas de acrílica sobre tela, estavam à venda. A primeira, pela Galeria Frente, de São Paulo; e a segunda pela Colecionador, do Rio. "Nuit Sur La Ville", um Antônio Bandeira de 1965, também estava disponível entre as obras da Colecionador. A cantora Verônica Valentino, do grupo Verónica Decide Morrer, participou do elenco do projeto blasFêmea, um experimento audiovisual documental da MC Linn da Quebrada, que explora a potência feminina em diferentes corpos. O Nordeste esteve representado também com trabalhos dos artistas baianos Mestre Didi e Genaro de Carvalho. Este último, com obras disponíveis na Galeria Passado Composto - Século XX.
A repórter viajou a convite da SP-Arte*
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado