Repulsa ao Sexo, nova mostra permanente do Cine Humberto Mauro

A Fundação Clóvis Salgado, por meio do Cine Humberto Mauro, dá início a mais uma mostra permanente de cinema, a Sessão Cinema e Psicanálise, resultado de uma parceria com a Escola Brasileira de Psicanálise. Em sua primeira sessão, será exibido Repulsa ao Sexo, do celebrado diretor Roman Polanski.

O filme é um terror psicológico que conta a história de Carol, personagem vivida pela atriz Catherine Deneuve, uma jovem manicure londrina que, ao ficar sozinha no apartamento que divide com a irmã, passa a desenvolver um quadro de depressão e de alucinações. Essa foi a primeira obra de Polanski rodada em língua inglesa, produzida no Reino Unido, em 1965. Além disso, é o primeiro título de uma sequência que ficou conhecida como “trilogia do apartamento”.

Repulsa ao Sexo é tido como um dos melhores filmes que abordam a temática da esquizofrenia feminina. A personagem Carol aos poucos revela um estado de desligamento completo do mundo ao seu redor, culminando em uma repressão sexual que leva a situações esquizofrênicas repletas de violência e perversão.

A programação da Mostra será composta por narrativas que levantam questões psicanalíticas debatidas, ao fim de cada sessão, por um convidado especial. As exibições acontecem sempre nas primeiras sextas-feiras do mês. Na sessão do dia 7 de abril, os comentários serão feitos por Lúcia Grossi dos Santos, psicanalista membro da Escola Brasileira de Psicanálise – MG e da Associação Mundial de Psicanálise. Fernanda Otoni de Barros Brisset, diretora da Escola Brasileira de Psicanálise – MG, será a responsável pela apresentação da primeira sessão da mostra.

Cinema e Psicanálise - Contemporâneos em seu nascimento, o cinema e a psicanálise se encontram primeiramente na dimensão do sonho. O pensamento transformado em imagens no sonho faz de cada sonhador o diretor de um filme que ele mesmo não compreende e precisa decifrar. O cinema, por sua vez é uma espécie de sonho coletivo que impregna de imagens e mensagens o psiquismo do espectador.

Psicanálise e cinema trabalham, cada um a seu modo, com a verdade em sua estrutura de ficção na construção de suas narrativas. Para Lacan, a tela de cinema seria “o revelador mais sensível” que permite mostrar, a um olhar oblíquo, marcas do que é assunto intocável para cada um. “Assim como a escuta psicanalítica nos conduz a observar fenômenos normalmente desapercebidos, tais como os atos falhos, os lapsos, os erros de memória ou mesmo um chiste, o cinema desperta um modo particular de percepção ao destacar, graças ao grande plano e à câmara lenta, elementos ocultos ao olhar imerso no fluxo contínuo do cotidiano”, explica Bruno Hilário, coordenador de cinema no Cine Humberto Mauro.

Sessão Cinema e Psicanálise – Repulsa ao Sexo

Local: Cine Humberto Mauro – Palácio das Artes- Av. Afonso Pena, 1537

Dia: 07 de abril (sexta-feira)

Horário: 19h30

Entrada gratuita, com retirada de ingressos 30 min antes de cada sessão

Informações para o público: (31) 3236-7400

Fundação Clóvis Salgado

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado