Pular para o conteúdo principal

Ator britânico Roger Moore morre aos 89 anos

Segundo comunicado da família, ele enfrentou uma batalha contra o câncer.
Roger Moore em comemoração pelos 50 anos de James Bond, em Londres, em 2012.
Roger Moore em comemoração pelos 50 anos de James Bond, em Londres, em 2012. (Reuters)

O ator britânico Roger Moore, que interpretou o agente "James Bond" em sete filmes, morreu, aos 89 anos, na Suíça, vítima de câncer, anunciou a família nesta terça-feira.
"Com grande pesar anunciamos que nosso querido pai, Sir Roger Moore, morreu hoje na Suíça após a uma batalha breve, mas corajosa, contra o câncer", afirma a família em uma nota divulgada no Twitter.
"O amor que o cercou em seus últimos dias é tão grande que não pode ser medido em palavras", acrescenta a nota, assinada por seus filhos Deborah, Geoffrey e Christian.
"O afeto que nosso pai sentiu quando entrava no palco ou diante de uma câmera o manteve bem e ocupado", completaram, ao recordar sua última aparição pública, no Royal Festival Hall de Londres, em novembro de 2016.
Um James Bond mordaz e inglês
Moore tornou o agente 007 um cavalheiro inglês com mais fleuma, após a fase viril do escocês Sean Connery.
O ator deu a Bond, "Jimmy" Bond - como chamava - um gesto característico, a sobrancelha levantada para apontar ironia. Um gesto que repetiu nos sete filmes em que interpretou o agente secreto a serviço de Sua Majestade.
Era uma estrela cinematográfica da velha guarda, que vivia de modo luxuoso entre a Suíça e a Riviera francesa. Foi amigo do cantor americano Frank Sinatra e do ator britânico David Niven.
Também foi uma das primeiras estrelas a emprestar sua imagem para a beneficência como embaixador do Unicef e nunca se gabou de um grande talento de interpretação.
"Não sou do estilo 'assassino frio', por isso interpreto mais para fazer rir", disse em uma ocasião.
Roger George Moore nasceu em 14 de outubro de 1927 no subúrbio londrino de Stockwell, filho de um policial e de uma dona de casa.
"Não foi ruim ser um jovem de Stockwell, onde olhava maravilhado para a tela grande, sem imaginar que algum dia seria parte deste mundo mágico", destacou na autobiografia "My Word Is My Bond".
Moore iniciou a carreira de ator como figurante nos anos 1940, antes de entrar para a Real Academia de Artes Dramáticas.
Assinou contrato com os estúdios MGM, mas durante os anos 1950 se limitou a papéis de coadjuvante.
A fama veio na década de 1960, quando interpretou Simon Templar, na série de TV britânica "O Santo", exibida em diversos países.
No início dos anos 1970 participou em outra série de grande sucesso, "The Persuaders", uma parceria com o americano Tony Curtis.
Primeiro 007 em "Viva e Deixe Morrer"
Moore explica em sua autobiografia que havia sido procurado em 1967 para interpretar Bond, mas só assumiu o papel do personagem criado pelo escritor Ian Fleming, o espião com licença para matar, em 1973.
Ele tinha 45 anos, dois anos e meio a mais que Sean Connery, o ator que substituiu como 007.
Moore fez sua estreia no filme "Com 007 Viva e Deixe Morrer", depois que os produtores o obrigaram a perder peso, entrar em forma e cortar o cabelo.
Depois vieram "007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro" (1974), "O Espião que me Amava" (1977), "007 - Contra o Foguete da Morte" (1979), "Somente para os Seus Olhos" (1981), "007 Contra Octopussy" (1983) e, finalmente, "007 - Na Mira dos Assassinos" (1985), quando tinha 57 anos.
A rainha Elizabeth II o tornou cavalheiro em 2003 por seu trabalho para o Unicef. Também era um ativista contra a produção de foie gras.
Em 1993 foi operado por câncer de próstata, em 2003 teve que colocar um marca-passos e 10 anos depois foi diagnosticado com diabetes.
Moore se casou quatro vezes e deixa dois filhos, Geoffrey e Christian, e uma filha, Deborah.
Suas duas primeiras esposas, a patinadora Doorn Van Steyn e a cantora Dorothy Squires, o agrediram, confessou ao jornalista Piers Morgan.
Depois se casou com a atriz italiana Luisa Mattioli e com a dinamarquesa Kristina Tholstrup.

AFP

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/