Causos do cotidiano ganham fôlego em livro do premiado autor Wilhelm Genazino, inédito no Brasil

O escritor Wilhelm Genazino: fluxos de pensamento fluidos para tornar o cotidiano reflexão
Farta em números, a carreira do escritor alemão Wilhelm Genazino é prolífica e consagrada. Iniciada em 1965 com o romance "Laslinstrasse" (sem tradução para o português), já inclui mais de 30 livros publicados pelo autor em seu país de origem - alguns também conseguiram atingir notoriedade no restante da Europa e nos Estados Unidos - e um total de 21 prêmios literários, entre eles o Büchner, o mais importante da Alemanha.
Editorialmente falando, um dos frutos dessa trajetória de prestígio só chegou ao Brasil 50 anos após a estreia do europeu. Foi quando a editora Apicuri, através do selo Ficção, publicou, em 2015, a primeira e única edição do livro "Um guarda-chuva para o dia de hoje", lançado originalmente no ano de 2001. Por aqui, a versão ganhou tradução, posfácio e glossário de Marcelo Backes.
Assim, levando-se em conta a dimensão do tempo, não é um elemento factual que justifica a escrita deste texto, mas efetivamente um desejo de fazer ressoar - para que se tome conhecimento da rica, complexa e inquieta prosa genaziana - os elementos narrativos e temáticos que se sobressaem na única tiragem feita em português do texto do contemporâneo.
O autor, na referente obra, disseca discretos fragmentos do cotidiano para imprimir olhares sobre a vida e as relações sociais. Crítica corrosiva e embebida de um inteligente arsenal de tiras ácidas e irônicas que vêm a tiracolo, à medida que a cidade é desbravada pelo protagonista da história.
Por sinal, é esse componente de saída que se destaca nas páginas de "Um guarda-chuva para o dia de hoje". É que o narrador da obra - um homem de meia-idade que trabalha como testador de sapatos de luxo na metrópole alemã dos negócios, Frankfurt - é um típico flâneur, figura que elege a cidade como ponto de partida para desbravar sentimentos, meias verdades ou ele mesmo.
Técnica
A verossimilhança labiríntica que Genazino confere ao retrato da urbanidade ganha força com a técnica narrativa que escolheu para detalhar a rotina de seu personagem principal. É através do fluxo de consciência que o escritor atropela aspas, vírgulas e parágrafos, um desequilíbrio estrutural que mescla perspectivas interiores com o que se encontra fora, na atmosfera circundante do viajante.
Não à toa - como é típico do referente recorte literário -, períodos sintáticos muitas vezes são mutilados na metade de sua conclusão, abrindo espaço para que o autor divague sobre assuntos mil.
Em uma dessas ocasiões, por exemplo, ao refletir sobre a antiga companheira, o protagonista interrompe o pensamento e olha para o céu, passando a contemplar o movimento das folhas. O leitor, por sua vez, acompanha essa mudança temática rapidamente, saltando de um ponto final para outro, simples assim.
Sob outro espectro, o tédio é assunto caro à escrita genaziana. Toda a extensão do livro é marcada por um mal-estar que evoca enfado e solidão, motores que impulsionam o egresso e observações profundas sem, no entanto, soarem piegas. Ponto para Wilhelm.
"À tarde, sucede uma espécie de fragmentação da minha pessoa, contra a qual sou completamente indefeso. Me desmancho em fios, em fibras, em franjas. Então esqueço que, na vida, há coisas essenciais e coisas superficiais, porque uma coisa superficial qualquer penetra em mim e não me libera mais. Exatamente como agora", confessa o personagem em determinado momento, demonstrando capacidade de tornar algo que não é da conta de ninguém em um despontado retrato do mundo atual.
Reflexo
Hábil em construir paralelos que dialogam de maneira fluida - num movimento que ora se pretende frenético, ora se contenta com o silêncio - Wilhelm Genazino também é autêntico ao nunca menosprezar os dramas de seu personagem principal, como geralmente acomete as publicações que têm, no humor, seu principal gênero discursivo.
Pelo contrário: é a partir da facilidade com que as ideias do narrador mudam de perspectiva que o alemão faz um reflexo da sociedade líquida contemporânea, terreno individualizante onde pensamentos minam e aparecem com a mesma velocidade com que um novo perfil em uma das inúmeras redes sociais com as quais temos contato.
O rumar pela cidade, assim, é tanto válvula de escape de um mundo em ebulição quanto bússola para que novos conceitos, novas experiências, adentrem o cotidiano. Uma verdade que se apresenta indigesta, mas sincera para o protagonista do livro, e é evidenciada em sentenças como esta: "Somos procurados, eu respondo inseguro e ao mesmo tempo tarimbado, por pessoas que têm a sensação de que também sua vida não se tornou mais do que um dia de chuva estendido ao extremo, e que seu corpo nada mais é do que um guarda-chuva para esse dia".
Reconhecer, portanto, a transitoriedade das coisas e reter abstrações que salvam esses dias nublados de quase nulos entendimentos sobre si e sobre o outro, seja talvez o principal legado que o estranho alemão praticamente anônimo por aqui - agora, literariamente, não mais - tenha deixado por meio de suas pequenas jornadas de prosas ligeiras, banhadas de muita neurose e pura melancolia.
Livro 
Um guarda-chuva para o dia de hoje
Wilhelm Genazino
Apicuri
2015, 204 páginas
R$ 39,90
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Físico brasileiro recebe Prêmio Templeton de 2019

Câmara homenageia mulheres que se destacaram na luta por direitos

Inep cria comissão para decidir itens que farão parte do Enem 2019

Primeira edição da Semana de Arte Unifor abraça diversidade de linguagens e expressões

Capela revestida por milhares de ossos é ponto turístico excêntrico em Portugal