Pular para o conteúdo principal

Escritora cearense conta em livro como se apaixonou por Lisboa

A sessão de autógrafos será nesta sexta-feira (12), na Livraria Cultura. O livro traz relatos da experiência vivida pela autora Rijarda Giandini na capital burguesa

Foto: Coletivo PB
A escritora cearense Rijarda Giandini foi morar em Lisboa, com a família, há pouco mais de dois anos. O propósito da mudança radical era estudar, mas o seu encantamento pela cidade a fez alçar outros vôos. Apaixonou-se pela capital portuguesa, que já conhecia, mas não com tanta intimidade. A vontade de transmitir o que sentia deveu-se, segunda a escritora, à boa recepção que teve, especialmente da universidade por onde faz um doutorado em História Contemporânea, com outras confluências de uma cidade que, por não ser perfeita, é real e preserva ainda alguns modus vivendi fascinantes que a sociedade brasileira já não cultiva.

Ela confessa que o desejo em compartilhar este momento com outras pessoas era intenso, aliado a outro sentimento que a machucava, a saudade do Brasil, principalmente, dos amigos e da família. Daí o processo de escrita servir-lhe como uma espécie de catarse, a partir das andanças e experimentos da cidade que adotou para viver. Rijarda faz questão de afirmar que escrever “Viver e Amar Lisboa” foi uma tarefa prazerosa. “As impressões que relato são reais. Abordo direitos e deveres, em todos os momentos, observados com o espírito desarmado. Viver Lisboa não é nenhum sacrifício. Ao contrário, amar é uma consequência”.

O livro
A publicação se divide em dois grandes capítulos. O primeiro é o “Viver Lisboa” no qual a escritora relata as principais situações prováveis que alguém passa quando chega à cidade para morar, como a procura da casa nova, escola para os filhos, serviço médico, compras e lazer, este com muitas opções gratuitas. A intenção é fazer a pessoa adaptar-se com mais facilidade, dentro de uma realidade de um orçamento controlável, apresentando alternativas de viver bem sem gastar além. Inclusive, como entender palavras de uma língua igual, mas com expressões desconhecidas, e saber quando esperar a gentileza e a rudeza dos portugueses.

O outro Capítulo é o “Amar Lisboa”, a apresentação da cidade margeada pelo Rio Tejo. Para fazer isso, Rijarda percorreu suas ladeiras por nove meses, acompanhada pelo marido, o músico italiano Giovanni, e do filho Artur (10 anos), conhecendo os bairros, as freguesias, buscando os espaços ainda pouco explorados pelo turismo tradicional. “Perdi-me na cidade, como nos perdemos nas grandes paixões. Fiz um sem número de fotografias que ajudaram a captar algumas emoções, deslumbramentos, encantamento e algumas tristezas geradas por maus tratos urbanos. E com elas fiz a escrita interpretando este meu olhar. Resultou em uma obra agradável, que se lê rápido e que faz sonhar.”

A Autora
Rijarda Giandini é brasileira de Fortaleza, casada com Giovanni e mãe de Artur. Historiadora e Internacionalista, mora no bairro Restelo, em Lisboa, desde 2014, para um doutorado em História Contemporânea. É diretora do Instituto da Cidade, em Fortaleza e membro do Conselho da Camera di Commércio Italo-Brasiliana do Nordest.  Traduziu adaptou o conto infantil “Il Principe Felice”, de Oscar Wilde, para o português e realidade brasileira. Escreveu o livro de Poesia “Inquietude”, ambos inéditos. Possui capítulos de livros e artigos em revistas sobre Cidades Sustentáveis.

 Fragmento do Livro
“Andando! Assim começo a conhecer a cidade. Sem pressa ou pré-conceitos concebidos e cheios de pecados. Como o corpo da pessoa amada, percorro sem juízos. Simplesmente, admirando as curvas, as dobras, os montes. Não há o certo ou o menos.

Serviço:
Sessão de autógrafos do livro “Viver e amar Lisboa”, de Rijarda Giandini
Dia 12 de maio de 2017, às 19h
Livraria Cultura – Galeria Varanda Mall

Boa Notícia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …