Pular para o conteúdo principal

Internet ajuda alunos da Maré a recuperar aulas perdidas por causa da violência

Resultado de imagem para Internet ajuda alunos da Maré a recuperar aulas perdidas por causa da violência
Três professores que trabalham no Complexo da Maré tentam contornar o problema da ausência dos estudantes na escola por causa de tiroteios com a ajuda de um aplicativo. Por ele, os alunos podem recuperar as aulas perdidas por meio da internet, seja no celular ou no computador.
“Somente no ano de 2017, já foram 12 dias perdidos, 12 dias letivos. Sem contar com os dias de ameaça de conflito, em que a frequência não é normal. Independentemente de acontecer o conflito, seja por guerra entre facções ou operação policial, os alunos sempre têm uma perda”, explicou Alex de Souza, coordenador pedagógico.
Mesmo quando as aulas sofrem interrupções, os alunos manifestam o interesse de aprender e mandam mensagens para os professores.
“Toda vez que acontece uma interrupção, a gente fica sendo questionado pela internet sobre a necessidade de fechar a escola, porque eles querem estar lá, explicou Alex.
A vontade de estudar dos alunos foi um dos motivos para a criação do site e do aplicativo da escola. Lá eles podem encontrar a matéria do dia perdido, as provas e um chat para tirar dúvidas.
“Nosso trabalho é para que, justamente essas interrupções, inclusive as que ainda acontecerão, tenham um impacto menor na vida desses alunos. A ideia é que quando tiver o horário que o professor estiver online, o aluno poderá fazer perguntas em tempo real. Quando ele não estiver online, essas perguntas serão enviadas para a escola, que irá redirecionar a questão”, explicou Jorge da Costa Silva, professor de matemática.
Na semana passada, o projeto foi apresentado para a Prefeitura do Rio. Está em fase de testes e ajustes, mas os alunos já começaram a usar. O aplicativo também é usado em casos de alunos hospitalizados, para ter acesso ao conteúdo ao qual não podem ter acesso presencial.
Os envolvidos sabem que o projeto não é a solução do problema da violência
“Esses alunos não podem esperar que esse problema da violência seja resolvido. A gente precisa que as aulas tenham continuidade. A partir do momento que ele tem essa oportunidade, a gente garante que o acesso que ele tem a informação, às experiências pedagógicas não sejam interrompidos. É um instrumento de luta, de resistência, para tudo o que eles vivem”, explicou Ana Flávia Teixeira Veras, diretora-geral da escola.

Do G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …