Pular para o conteúdo principal

Livros didáticos falarão sobre igualdade de gênero a partir de 2019, diz governo

A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes (Foto: Graziele Frederico/G1)
A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes (Foto: Graziele Frederico/G1)
A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, afirmou nessa terça-feira (9) que os livros didáticos para as escolas públicas contarão, daqui a dois anos, com textos e conteúdo propondo a discussão da igualdade de gênero nas escolas.
Em evento para discussão dos números divulgados pela pesquisa Datafolha e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em março deste ano, a secretária afirmou que um dos pontos que mais chamou a atenção foi o fato de "muitas mulheres" não reconhecerem no primeiro momento que tinham sido agredidas. A pesquisa aponta 4 milhões de mulheres agredidas em 2016 no país.
"As pessoas ainda não sabem o que de fato é a violência." Fátima Pelaes afirmou ter "enorme preocupação com a nova geração que continua repetindo e sofrendo a violência e de como o machismo está tão forte ainda na sociedade".
Questionada sobre as declarações do presidente Michel Temer no Dia Internacional da Mulher sobre o papel das mulheres na economia doméstica ou a ausência de mulheres nos ministérios do governo, Fátima afirmou não "julgar o presidente pelo que ele fala mas pelo que ele faz".
Segundo ela, a Secretaria de Políticas para Mulheres tem avançado nos programas e não teve cortes expressivos em nenhum dos recursos destinados ao combate à violência.
Para a secretária, o "fundamental" é que a desigualdade entre homens e mulheres ainda é muito alta e a violência doméstica é um reflexo disso.

Violência

O juiz Ben-Hur Viza, titular do Juizado Especial de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, afirmou que, diante da pesquisa Datafolha, "é preciso investimento no combate e na cultura dessa violência dentro de casa".
"O que contamos para nossos filhos? O que é a história da Pequena Sereia? Ela teve que dar a voz para ganhar um príncipe. O que se propaga com isso?"
 
Para o juiz, há uma falta de investimento governamental no combate à violência contra mulher, desde a criação de varas especializadas, mas também em uma mudança na maneira como a violência é vista.
"É um filho que vê o pai reagindo com violência por ser contrariado, e entende que pode reagir assim quando suas vontades não forem atendidas."
Segundo a diretora do Fórum, Samira Bueno, "há diversas frentes em que o combate à violência contra mulher deve atuar". Entre essas está a coleta de dados constantes. Samira afirma que o fórum tenta um diálogo com o IBGE para incluir questões sobre violência contra mulher no censo mensal que é feito pelo órgão. Os últimos dados do IBGE sobre o assunto datam de 2009.

Do G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …