Livros didáticos falarão sobre igualdade de gênero a partir de 2019, diz governo

A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes (Foto: Graziele Frederico/G1)
A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes (Foto: Graziele Frederico/G1)
A secretária de Políticas para as Mulheres, Fátima Pelaes, afirmou nessa terça-feira (9) que os livros didáticos para as escolas públicas contarão, daqui a dois anos, com textos e conteúdo propondo a discussão da igualdade de gênero nas escolas.
Em evento para discussão dos números divulgados pela pesquisa Datafolha e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em março deste ano, a secretária afirmou que um dos pontos que mais chamou a atenção foi o fato de "muitas mulheres" não reconhecerem no primeiro momento que tinham sido agredidas. A pesquisa aponta 4 milhões de mulheres agredidas em 2016 no país.
"As pessoas ainda não sabem o que de fato é a violência." Fátima Pelaes afirmou ter "enorme preocupação com a nova geração que continua repetindo e sofrendo a violência e de como o machismo está tão forte ainda na sociedade".
Questionada sobre as declarações do presidente Michel Temer no Dia Internacional da Mulher sobre o papel das mulheres na economia doméstica ou a ausência de mulheres nos ministérios do governo, Fátima afirmou não "julgar o presidente pelo que ele fala mas pelo que ele faz".
Segundo ela, a Secretaria de Políticas para Mulheres tem avançado nos programas e não teve cortes expressivos em nenhum dos recursos destinados ao combate à violência.
Para a secretária, o "fundamental" é que a desigualdade entre homens e mulheres ainda é muito alta e a violência doméstica é um reflexo disso.

Violência

O juiz Ben-Hur Viza, titular do Juizado Especial de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, afirmou que, diante da pesquisa Datafolha, "é preciso investimento no combate e na cultura dessa violência dentro de casa".
"O que contamos para nossos filhos? O que é a história da Pequena Sereia? Ela teve que dar a voz para ganhar um príncipe. O que se propaga com isso?"
 
Para o juiz, há uma falta de investimento governamental no combate à violência contra mulher, desde a criação de varas especializadas, mas também em uma mudança na maneira como a violência é vista.
"É um filho que vê o pai reagindo com violência por ser contrariado, e entende que pode reagir assim quando suas vontades não forem atendidas."
Segundo a diretora do Fórum, Samira Bueno, "há diversas frentes em que o combate à violência contra mulher deve atuar". Entre essas está a coleta de dados constantes. Samira afirma que o fórum tenta um diálogo com o IBGE para incluir questões sobre violência contra mulher no censo mensal que é feito pelo órgão. Os últimos dados do IBGE sobre o assunto datam de 2009.

Do G1

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado