Pular para o conteúdo principal

Rômulo Braga vive homem atormentado no drama "Elon Não Acredita na Morte"

Os cenários são uma espécie de outro personagem na história.
Cena do filme
Cena do filme "Elon Não Acredita na Morte". (Divulgação)

Longa de estreia do diretor mineiro Ricardo Alves Jr., “Elon Não Acredita na Morte” é um denso mergulho no inferno pessoal de seu protagonista, Elon (Rômulo Braga, prêmio de melhor ator no Festival de Brasília 2016), em busca da mulher desaparecida, Madalena (Clara Choveaux).
Assumindo o ponto de vista de seu atormentado personagem, constrói-se meticulosamente uma dramaturgia amparada no corpo de seu empenhado ator e também em sua ocupação de espaços.
Estes espaços estão num prédio abandonado (onde ele é um fantasmagórico vigia noturno), com longos corredores, escadarias que parecem só levar para baixo, janelas com grades, tudo isso propositalmente imerso numa luz escura ou quase inexistente (belo trabalho do fotógrafo Matheus Rocha).
Os cenários, aliás, são uma espécie de outro personagem na história, pelo profundo significado e simbologia que assumem.
A inspiração do roteiro vem de um paciente de um centro de saúde mental de Belo Horizonte que o diretor conheceu e que se autodenominou Elon Rabin -- que aparece num curta de Ricardo Alves Jr., “Tremor” (2013), exibido no Festival de Brasília e vencedor do prêmio de melhor direção.
Pela forma como a história é conduzida, chega-se a ter todo o tipo de dúvidas, até sobre a existência dessa mulher desaparecida.
No fundo, o que a narrativa sugere é um jogo que depende da ativa participação do espectador, seguindo o protagonista em seus percursos pelas ruas e pelo labirinto do prédio vazio onde ele trabalha, numa trajetória que sugere a descida de Orfeu aos infernos em busca de sua perdida Eurídice, a trama mitológica que já inspirou filmes como “Orfeu do Carnaval” (59), de Marcel Camus, e “Orfeu” (99), de Cacá Diegues.
O escopo e as ambições de “Elon Não Acredita na Morte”, no entanto, são bem mais modestos -- e o tom, mais sombrio.
Clique aqui, confira o trailer e onde o filme está em cartaz na Agenda Cultural do DomTotal.

Reuters

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …