Unifor disponibiliza a coleção bibliográfica Rachel de Queiroz para consulta pública

A Universidade de Fortaleza (Unifor) abre nesta sexta (26), às 10h30, o acervo bibliográfico da escritora cearense Rachel de Queiroz (1910-2003), para consulta pública. O Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro (IMS-RJ) doou os itens à Fundação Edson Queiroz e o material ficará disponível em uma área especial do piso superior da Biblioteca Central da Unifor.
O acervo reúne 3.063 itens, divididos entre 2.800 livros e 263 periódicos. O material fazia parte das aquisições do IMS-RJ, com sede na Gávea, bairro da zona sul do Rio de Janeiro (RJ), desde 2006. A ideia de transferir os itens para a Unifor partiu da cearense Elvia Bezerra, coordenadora de Literatura do Instituto.
A doação foi formalizada, motivada também pela ligação de Elvia com suas raízes: ela achou justo que a coleção sobre Rachel de Queiroz fosse abrigada no Ceará. E recebeu, para isso, o aval do Conselho de Acervos do Instituto Moreira Salles.
Para Leonilha Lessa, gerente da Biblioteca Central da Unifor, é uma alegria para a universidade acolher, neste momento, o acervo doado. Ela percebe que a iniciativa joga luz ao conjunto da obra de Rachel Queiroz, estimulando o interesse do público para além de "O Quinze", clássico da literatura escrito pela cearense e já editado mais de 100 vezes, de 1930 até a atualidade.
"É um momento também da gente estabelecer uma relação com a comunidade. A visitação é gratuita e nós estamos nos preparando para receber estudantes, pesquisadores, todos os interessados em Letras", situa Leonilha Lessa, destacando que a coleção traz, por exemplo, traduções da autora e cerca de 1.200 obras literárias, de outros autores, dedicadas a ela.
Até receber a doação, a Biblioteca Central da Unifor contava com obras de Rachel de Queiroz de maior circulação. Os itens doados marcam, portanto, além da disponibilidade de um acervo especial da escritora cearense, demarcado fisicamente, a consolidação da Unifor enquanto uma referência de memória sobre a autora.
Proximidade
Elvia Bezerra começou a se aproximar mais da obra de Rachel de Queiroz em 1993. A gestora do IMS-RJ foi ao apartamento da escritora no Leblon (RJ), a fim de ouvi-la sobre um ensaio a respeito do poeta Manuel Bandeira (1886-1968). Ele e Rachel foram amigos.
Em 2009, Elvia organizou e escreveu o prefácio do livro "Mandacaru", reunindo 10 poemas escritos por Rachel de Queiroz ainda na infância. A publicação fazia parte das comemorações pelo centenário de nascimento da autora cearense, no ano seguinte. O valor dessa coleção poética se fundamenta também como uma prévia, em outra linguagem literária, do que a escritora faria, em prosa, em "O Quinze", publicado pela primeira vez na sua juventude.
Os poemas datam de 1928 e constam no material doado para a Unifor, em uma edição em fac-símile, escrita em letra cursiva pela "pequena" Rachel. No prefácio, frisa Elvia, a escritora cearense se dirigiu aos escritores modernistas de São Paulo, se colocando para participar do movimento (que àquela altura já estava em sua segunda fase).
Por fim, Elvia Bezerra esteve à frente da organização da 104ª edição de "O Quinze", lançada este ano pela editora José Olympio (168 páginas). A nova publicação teve o acréscimo de um material inédito do arquivo de Rachel de Queiroz.
Outras coleções
O acervo doado para a Unifor dialoga, no Ceará, com o material preservado pelo bibliófilo, e ex-presidente da Academia Cearense de Letras (ACL), José Augusto Bezerra. Em 2003, quando do falecimento da escritora, a família doou parte do acervo pessoal de livros e obras autorais para o bibliófilo. Até então, José Augusto já colecionava literatura há 40 anos.
A parte que ele recebeu se complementava ao material que foi encaminhado para o museu Rachel de Queiroz, em Quixadá (terra natal da escritora) e à coleção do IMS-RJ, que agora chega ao Ceará através da Unifor.
Acervo
Raridades
"O Quinze", edição da Confraria dos Bibliófilos do Brasil, 1995 (tiragem única de 250 exemplares, e ilustrações de Abraão Batista)
Dedicatória de Carlos Drummond de Andrade: "A Rachel de Queiroz - pra quê adjetivos?",1954
Dedicatória de Graciliano Ramos: "Rachel, as histórias não prestam, mas foi necessário publicá-las", 1947
Dedicatória de Manuel Bandeira: "A grande e cara Rachel mando este livro, no qual ruim é a parte de Manuel, ótima a do João Cabral", 1948
Toda a catalogação do acervo do IMS-RJ, agora à disposição na Unifor, ainda pode ser visualizada através do site acervo.Ims.Com.Br
Mais informações:
Abertura da coleção Rachel de Queiroz para consulta pública na Biblioteca Central da Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz). O acesso é gratuito, mediante agendamento para grupos, de segunda a sexta, das 8h às 18h, e aos sábados, de 8 às 12h. Contato: (85) 3477.3169

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

LAMENTAÇÕES DE UM LÁPIS

Dentro da rotina das redes sociais, mulheres dividem as dificuldades e os pontos positivos de expor a maternidade

A Palavra Não

Livros com temática de direitos humanos são vandalizados na UnB