A herança missionária de Pedro

Padre Geovane Saraiva*
O convite de Jesus ao humilde pescador Simão foi maravilhoso e transformador, começando pelo nome, que de Simão passou a ser chamado de Pedro. É o Reino de Deus, anunciado por Jesus de Nazaré com características claras e definidas, que foi assimilado por Pedro no serviço da justiça e da caridade para com os irmãos. Coube a ele compreender a necessidade do testemunho, na fidelidade a Deus, afastando-se da ilusão do poder de um Messias triunfalista, conquistador e guerreiro, que, com certeza, logo restauraria o poder temporal em Israel fora de suas cogitações.

Resultado de imagem para apostolo pedro pescadorA obra redentora de Deus, em sua indizível bondade, ternura e mistério de amor, fazendo-se homem, quis e quer eternizar a criatura humana, restaurando-a e reconciliando-a consigo. É dentro desse contexto que a Igreja comemora São Pedro, homem simples e humilde, profundamente marcado pela graça de Deus, que, para os seguidores do Filho de Deus, no decorrer dos séculos, foi imprescindível, ao marcar e personificar a Igreja de um modo ininterrupto em toda a sua história. Pedro é a pedra que se traduz pela fé no serviço generoso, custe o que custar, muitas vezes doando a própria vida.

A amorosa exigência de Jesus foi no sentido vê-lo totalmente voltado ao serviço do Reino de Deus, convocando-o a fazer parte do número daqueles que seriam missionários a serviço do Mestre Divino e que perpetuariam Seu ministério, após sua partida para o Pai. Ele nos recorda a Igreja instituição com o poder recebido de Deus, na missão de “ligar e desligar”, de ficar à frente da exigente e fascinante incumbência de continuar, com dignidade e responsabilidade, o trabalho de santificar, ensinar e governar o rebanho do Senhor. Na conjuntura da solenidade de São Pedro, guardemos as palavras de Jesus aos discípulos, de não ter medo, que, segundo o Papa Francisco, “nas dificuldades do testemunho cristão do mundo, nunca somos esquecidos, mas sempre assistidos pela solicitude atenta do Pai”.

Após o chamado do seu Mestre e Senhor, com Ele conviveu, participou do privilégio de sua amizade e integrou como o primeiro no Colégio dos Apóstolos. Testemunhou, com os próprios olhos, a vida, a morte e a ressurreição do Senhor Jesus, confessando com a própria boca: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo!”, recebendo, da parte de Jesus, um grande elogio: “Feliz és tu, Simão, porque não foi a carne nem o sangue que te revelaram isso, mas o meu Pai que está nos céus” (cf. Mt 16, 16-17).  Por fim, o que acontece com Jesus repete-se com Pedro, sendo crucificado, mas de cabeça para baixo, julgando-se indigno de morrer do mesmo modo que seu Mestre e Senhor.

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado