Pular para o conteúdo principal

Documentário inédito narra a história da primeira palhaça negra no Brasil

Image-0-Artigo-2253214-1
Série conta a história da palhaça Xamego
Considerado a principal atração do Circo Guarany nas décadas de 1940 a 1960, o palhaço Xamego era encenado pela atriz Maria Eliza Alves dos Reis.
A primeira palhaça negra no Brasil tem sua história contada no documentário inédito Minha Avó Era Palhaço!, que o SescTV exibe no dia 16/6, sexta, às 20h, com direção de Ana Minehina e Mariana Gabriel, neta de Xamego.
Mariana, que também sonha em ser palhaça, não conheceu a avó, mas sempre ouviu histórias sobre ela.
"Memórias que não saem da minha cabeça e que carrego com os meus guardados mais preciosos", comenta.
No documentário, essas lembranças vão construindo a história de Maria Eliza por meio de depoimentos da família, de representantes do circo e de especialistas.
Daise Gabriel, filha de Xamego, recorda o início da carreira de sua mãe, com luxo e conforto. Filha do proprietário do Circo Guarany, João Alves, Maria Eliza já nasceu no meio artístico, em 1909. "Era circo itinerante, mas era tão grande que para se deslocar de uma praça para outra tinha que fretar vagões de trem", assegura Daise. Antes de ser palhaço, assim mesmo, no masculino, Maria Eliza foi cantora e formava dupla com sua irmã Efigênia, mas foi no circo, como Xamego, que alcançou o sucesso.
Sua música tema nas apresentações era Xamego, de autoria de um amante do circo, o Rei do Baião Luiz Gonzaga, em parceria com Miguel Lima.
Minha Avó Era Palhaço! destaca a influência dos negros no espetáculo circense e o preconceito que sofriam nesse meio. Daise fala que seu avô João Alves era o único negro em um seleto grupo de proprietários brancos. Entretanto e felizmente, era respeitado e reconhecido. O machismo era outro revés que predominava na época. Segundo a historiadora Ermínia Silva, o termo palhaça nem existia. "Palhaço era coisa de homem", afirma.
"O feminino de palhaço só vai existir após o surgimento das escolas de circo, no final da década de 1970 e começo de 1980", explica Ermínia. Seria esse o motivo de Maria Eliza ser um palhaço? Tabajara Pimenta, o homem-foca, acredita que não. "Era ela que fazia questão de não divulgar, penso eu".
O documentário aborda ainda o momento em que Maria Eliza resolveu ser palhaço; a participação da Caravana do Peru que Fala, do apresentador Silvio Santos, que levava diversos artistas ao circo; e os momentos difíceis do Circo Guarany. Imagens de arquivos e vídeos ajudam a narrar a história dessa mulher forte e decidida, que morreu em 2007, aos 98 anos.
Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Participe da Coletânea "100 Poetas e 100 Sonetos"

O Instituto Horácio Dídimo de Arte, Cultura e Espiritualidade está selecionando 100 poetas para compor a Coletânea “100 Poetas e 100 Sonetos”. Os sonetos são de tema livre e devem ser metrificados em qualquer tamanho ou estilo, rimados ou não. 

Não haverá taxa de inscrição e nem obrigatoriedade de aquisição do livro pelos participantes, que em contrapartida cedem seus direitos autorais. 

A data e local do lançamento da coletânea serão definidos posteriormente. 

Para participar, envie o seu soneto para o email ihd@institutohoraciodidimo.org ou pelo formulário até 10/07/2019 com uma breve biografia.

Por https://institutohoraciodidimo.org/2019/06/11/coletanea-100-poetas-e-100-sonetos/