Doença rara aproxima e embala romance juvenil em 'Tudo e Todas as Coisas'

A história de amor é previsível e açucarada para arrancar lágrimas de quem está descobrindo o mundo e a si mesmo.
Cena do filme
Cena do filme "Tudo e todas as coisas". (Divulgação)

Por Alysson Oliveira
Cada geração tem seu “Love Story”, aquele filme de amor e lágrimas. É o caso de “Tudo e Todas as Coisas”, que já vem sintonizado com o presente, embalando um romance interracial e relações digitais, escondendo o empoeirado mote de garota que se apaixona por garoto, mas que não podem viver a relação por algum motivo – no caso, por uma condição imunológica rara e grave que a impede de sair de casa. O fato de sua mãe ser médica e rica ajuda no tratamento.
Maddy (Amandla Stenberg, de “Jogos Vorazes”) tem quase 18 anos e vive confinada em uma mansão esterilizada, onde mantém contato apenas com a mãe, Pauline (Anika Noni Rose), e a empregada/enfermeira mexicana, Carla (Ana de la Reguera), que cuida dela há tempo suficiente para se ter tornado amiga. Entre os sonhos da menina está ver o mar de perto, mas sua condição a impede. Para aplacar a solidão, ela lê muito e conversa, pela internet, com seus amigos – também portadores da doença – espalhados pelo mundo.
A chegada de Olly (Nick Robinson), que se muda para a casa ao lado, desperta emoções e sentimentos que Maddy não conhecia ou sufocava. Não custa muito, e eles se veem pela janela de seus quartos, e logo estão trocando mensagens pelo celular. Seria maçante acompanhar duas pessoas apenas digitando e lendo mensagens, mas a diretora Stella Meghie encontra uma saída criativa para isso.
Porém, ela não é capaz de escapar das armadilhas da trama, escrita por J. Mills Goodloe, a partir do romance homônimo juvenil de Nicola Yoon. A história de amor é previsível e açucarada para arrancar lágrimas de quem está descobrindo o mundo e a si mesmo.
O fato de Maddy arriscar a própria vida – ela convida Olly para dentro de sua casa, com ajuda de Carla, embora cada um fique num extremo da sala – não é inesperado, nem a reviravolta do filme digna de novela mexicana. Basta prestar atenção nos detalhes – coisa que a própria protagonista não faz – que o clímax faz até sentido.
O que não muda, porém, o fato de a resolução da trama ser ética e moralmente condenável. O filme pede simpatia por uma personagem que beira a psicopatia. Tal qual Maddy, “Tudo e Todas as Coisas” é um filme que acontece numa bolha selada sem muitos pontos de contato com a realidade. Nele, pobreza ou preconceito racial não existem. E nem seu retrato da condição da saúde da personagem é muito honesto, dando margem a uma visão equivocada da imunodeficiência e seu tratamento – tanto que a associação americana de portadores da doença lançou uma nota condenando a abordagem do filme.
Clique aqui, confira o trailer e onde o filme está em cartaz na Agenda Cultural!

Reuters

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

MASP completa 50 anos de histórias

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado