Livro-ensaio combina arte urbana de São Paulo, Nova York e Berlim em imagens e textos

por Roberta Souza - Repórter
A capital paulista se diferencia pela vegetação que cresce o cimento da metrópole ( Fotos: reprodução )
Às vezes é mais fácil se definir mostrando para o outro o que não se é. Isso vale para pessoas e para coisas também. O livro "Grafite - Labirintos do olhar" segue essa lógica. Logo na introdução, Gabriela Longman, jornalista, deixa muito claro o que ela e o pai, o fotógrafo Eduardo Longman não propõem com o material. Ampliam o recorte subentendido no título e negam o projeto visual para quem possa julgar apenas pela aparência.
Ao receber a obra, com 123 imagens captadas de três cidades - São Paulo, Nova York e Berlim - e textos leves de uma repórter casados com essa imersão visual, faz-se necessário ler logo de cara que "não é apenas um livro de fotografia - ainda que as fotos extrapolem e muito, o registro documental - não é um diário de viagem, não é um catálogo artístico e não é uma reportagem - ainda que essas categorias estejam misturadas aqui e ali".
O projeto é resultado de incursões dos autores pelas ruas das três capitais mencionadas e surgiu de conversas entre pai e filha sobre trabalhos que poderiam realizar juntos. Ele lembrou de um ensaio emblemático que fizera sobre o centro paulista para a 14ª Bienal Internacional de São Paulo (exibido também no MIS em 1980); e ela, como jornalista da área de cultura, trouxe o interesse pelo desenvolvimento da linguagem global do grafite em diferentes arquiteturas e contextos.
O livro é bilíngue e vem sendo trabalhado desde 2014. Lançado em abril deste ano no período de realização da SP-Arte, no Pavilhão da Bienal do Ibirapuera, ele faz refletir sobre cada uma das cidades representadas num tempo em que conceitos e políticas públicas dedicadas à arte urbana soam contraditórios.
Estrutura
"Grafite - labirintos do olhar", cujo design foi criado pela Bloco Gráfico, apresenta-se com capa impressa em serigrafia e uma combinação de papéis que remete à sinalização urbana. São Paulo, Nova York e Berlim têm cada uma um capítulo fotográfico, evidenciado pelos textos curtos em quatro folhas amarelas que antecedem os retratos visuais. O livro conta ainda com três pôsteres, que dão maior visualização a uma intervenção de grafite por cidade.
Mas ainda que os textos de Gabriela não sejam tão longos, ela consegue tocar em discussões sociais, econômicas e políticas tão atuais quanto históricas. Vai das origens da manifestação em Nova York, aos contextos de realização em Berlim, sem deixar de comentar a postura do prefeito de São Paulo, João Dória, frente às intervenções da cidade. É interessante como as ideias se misturam e fazem crer que, embora se desenvolvam em lugares distintos, interligam-se e seguem uma lógica semelhante em todas as localidades. Fortaleza incluso.
Image-1-Artigo-2252736-1
Grafites em Berlim (Alemanha)

"Este livro procura situar o grafite nem no céu, nem no inferno, mas quer exaltar alguma de suas qualidades, especialmente o ideal de liberdade, risco e experimentação que muitas dessas obras de arte trazem em si", propõe a autora.
Partindo desse princípio, as páginas trazem obras de artistas mundialmente conhecidos e de autores anônimos; trabalhos encomendados e outros feitos na ilegalidade; obras de homens e mulheres de diferentes nacionalidades, técnicas e estilos.
"A seleção baseia-se no diálogo entre a obra - o estêncil, o mural, o adesivo - e o suporte - a ponte, a parede, o muro, o vidro. É a conversa entre a obra artística, o ritmo e a vida nessas três aldeias globais o verdadeiro tema desse ensaio", situa Longman na introdução, que acompanha uma nota explicativa sobre o que eles entendem por grafite - o desenho figurativo no espaço público.
Cidades
De São Paulo, Longman destaca duas marcas naturais que a maior parte das capitais europeias, americanas e asiáticas não tem: a vegetação tropical - plantas, raízes, arbustos que brotam em qualquer canto em meio às fissuras do concreto; e o relevo - em referências às ladeiras íngremes. São essas interações que valorizam o material visual da cidade.
De Nova York, as reflexões partem de um contexto periférico, de uma "guerra ao grafite" orientada também sobre a persistência da discriminação racial. E avança sobre uma paisagem que muda todos os dias, sujeita à venda e à demolição de imóveis, às novas mãos de tinta fresca ou à erosão causada por vento, chuva e neve.
De Berlim, chama atenção o conceito de "cidade zumbi", cuja gentrificação não tem se contentado em destruir espaços criativos. "Essa zumbificação ameaça transformar Berlim em cidade museológica de verniz, com a 'cena artística' preservada como parque de diversões para quem puder pagar os aluguéis cada vez mais caros", cita a autora.
Os Longman sugerem, por fim, uma aproximação da manifestação que escolheram detalhar com o "primo" jazz. Separados por um século, eles partilham uma origem semelhante: negra, suburbana, provocativa, alegre, dolorida. "Enquanto o primeiro foi a trilha sonora de um século lindo e terrível, o segundo tem tudo para ser a matriz visual de uma era que ainda nos desafia, intriga e interroga". Tomara, então, isso continuar.
Livro
Grafite - Labirintos do olhar
Eduardo Longman e Gabriela Longman
BEI Editora
2017, 182 páginas
R$60

Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado