Marcus Majella é parente trambiqueiro em 'Um tio quase perfeito'

Filme mira em levar a família inteira para o cinema, com piadas um tanto ingênuas que lhe garantiu classificação livre.
Cena do filme
Cena do filme "Um tio quase perfeito". (Divulgação)

Por Alysson Oliveira
A comédia brasileira contemporânea deveria ser objeto de estudo: por que tantos filmes se aproximam da televisão e mais parecem especial de Natal/piloto de uma sitcom? Basta pensar naquelas que fizeram sucesso nos últimos meses, e o padrão não foge disso: “Minha mãe é uma peça 2”, “Tô Rica”, “Um suburbano sortudo”. Todas com o mesmo perfil e a mesma ambição. Não terem migrado para a TV depois da boa recepção na bilheteria é que surpreende.
“Um tio quase perfeito” se une ao time, com todo o jeito de televisivo e um ator/comediante conhecido dos programas de televisão e internet, Marcus Majella, que está em “Vai que cola” e esteve na “Porta dos Fundos”, e com apelo para chamar o público. Diferente dos outros sucessos, que pesam no humor rasteiro (excetuando “Minha mãe é uma peça 2”), porém, esse mira em levar a família inteira para o cinema, com piadas um tanto ingênuas que lhe garantiu classificação livre.
Majella é o tio do título, um sujeito de bom coração que vive de pequenos expedientes, alguns são golpes (como se passar por pastor evangélico e vender água milagrosa na rua), outros nem tanto (trabalhar de estátua viva). De qualquer forma, nunca tem dinheiro suficiente para pagar as contas e acaba despejado, com sua mãe (Ana Lucia Torre, sempre ótima, até num filme insosso), do apartamento em que moram.
A saída é procurar abrigo na casa da irmã, Ângela (Leticia Isnard), com quem ele não mantém contato há anos – ambos se odeiam mutuamente. No começo, ela nega, mas acaba cedendo apenas por uma noite. No dia seguinte, viajará cedo e os filhos ficarão sob os cuidados da empregada. O tio Tony, porém, consegue interceptar a moça e fazer com que ela não apareça para trabalhar. Assim, a dupla se hospedará e cuidará das crianças enquanto a mãe delas viaja.
O roteiro, assinado por Leandro Muniz, Sabrina Garcia e Rodrigo Goulart, vai pelo caminho mais previsível possível. Cada um dos filhos de Ângela tem um problema, e Tony, com seu jeito levemente desbocado e atrapalhado, os ajudará. Patricia (Jullia Svacinna) é a mais velha, e quer montar uma peça de Shakespeare na escola, mas as colegas preferem uma história com vampiro. João (João Barreto) não se concentra nas aulas e está prestes a ser reprovado. Já a caçula, Valentina (Sofia Barros), é um tanto hiperativa.
A direção de Pedro Antonio (“Tô Rica”) não se esforça muito para evitar o tom de comédia televisiva – o que acaba nem sendo um grande problema, uma vez que se vale bem do timing de Majella e da sagacidade de Ana Lucia.
Clique aqui, confira o trailer e onde o filme está em cartaz na Agenda Cultural!

Reuters

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado