Projeto no Centro Cultural Bom Jardim apresenta novos artistas

Potencializar vozes e talentos. Esta é a missão do "É noiz perifa", projeto cultural ligado ao Centro Cultural Bom Jardim (CCBJ). Com histórico de ocupação protagonizado por artistas, grupos e coletivos nascidos nas comunidades do entorno do equipamento, o CCBJ abre suas portas e seu palco para criar uma ponte entre novos artistas e os cenários tradicionais da Cidade. As programações se iniciam nesta quinta-feira, 1º, e se prolongam até este sábado, 3.  O evento é gratuito e aberto. 
 
Ao todo, dez grupos fazem parte da agenda da Mostra com produções circenses, musicais, teatrais, audiovisuais e dançarinas. Neste sábado, 1º, o grupo de rap "Sem Saída" sobe ao palco do evento para apresentar seu repertório.
 
Os integrantes participaram de um intercâmbio orientado por Fernando Catatau (Cidadão Instigado) e puderam conhecer a trajetória artística do músico e adquirir conhecimento por meio da troca de conhecimento conduzida pelos encontros. Catatau, inclusive, fará uma apresentação no último dia de espetáculo e, em um dos momentos, dividirá palco com os integrantes do "Sem Saída", para cantarem juntos.
 
Valmir Rodrigues, também conhecio Caska "ksk", um dos integrantes do "Sem Saída", explica queos encontros semanais que duraram dois meses aconteciam dentro do Centro Cultural, mas o artista não se prendia a ele. "Tivemos vários encontros com o Catatau, alguns deles foram fora do CCBJ e esses eram mais proveitosos. Ele vinha na minha casa com a galera dele pra dar dicas pra gente.", conta.
 
Entre os trabalhos realizados por Catatau durante o período, um deles foi marcante. "Estávamos com um disco pronto, mas não tínhamos gostado da base dele. Catatau nos sugeriu que o regravássemos com uma nova base. Fizemos isso e gostamos do resultado".
 
Os grupos já possuem intimidade com o Espaço. Responsáveis pela ocupação artística e cultural do Centro Cultural, os coletivos são residentes do Bom Jardim e Maracanaú e trabalham, muitas vezes, ancorados apenas pela vontade de exporem seus trabalhos à comunidade. Nesta edição do evento, além do intercâmbio cultural, os grupos selecionados receberão um incentivo financeiro. "Vamos usar o dinheiro da participação para terminar de montar nosso estúdio. Quando ele estiver pronto, deixaremos aberto para a comunidade. Eles vão poder gravar e puxar um som de maneira gratuita", explica o rapper.
 
Além desta primeira Mostra, outro evento está marcado para o começo do próximo mês de julho no Instituto Dragão do Mar. Nádia Sousa, coordenadora do "É nóiz perifa", fala sobre a necessidade de pensar os centros culturais da Cidade como ambiente propício à produção e formação artística, além da ampliação e do fortalecimento da cultura. "Queremos deixar a mensagem para as pessoas de que na periferia existem grupos artísticos com potencial", conta. 
 
Fazem parte da agenda do "É nois perifa" as apresentações de San Cruz, Gandhi Guimarães, Mágico Jeff, Sem Saída, Milene Fernandes e Lucas Gomes, Caixeiros Viajantes, Cia Vivarte, Coletivo Girassóis, Daniel Rufino, Maria Epinefrina e Wellington Fonseca e Grupo Elus de Arte e Cultura Popular. Como convidados especiais a organização do evento convidou os artistas Andreia Pires, Mad Monkees e Fernando Catatau. Eles fizeram parte dos intercâmbios e poderão dividir palco com seus orientados.
 
Seviço:
 É Nois Perifa
 Onde: Centro Cultural Bom Jardim (rua 3 Corações, 400 - Bom Jardim, Fortaleza)
 Quando: de quinta-feira, 1º, a sábado, 3.
 Quanto: gratuito
Veja a programação completa: http://migre.me/wJdWn
 
NETO RIBEIRO

Comentários

Mais Visitadas

O STF é uma vergonha

Dom Aloísio em nossos corações

Papa Francisco sobre os direitos humanos: todos têm o direito de ser felizes

Além das aparências

Aluno cearense que criou app para conservação de açude recebe Prêmio Jovem Cientista