Universitários de Aracati criam aquário que pode ser controlado por app de celular

Imagine um aquário que pode ser monitorado à distância a partir de um aplicativo. E que é capaz de fornecer informações sobre a qualidade da água, o nível de oxigênio e outros detalhes. Essa foi a ideia dos estudantes Gabriel Rodrigues e George Lincoln, do campus de Aracati do Instituto Federal de Educação (IFCE).
Eles reuniram os conhecimentos que adquiriram nos cursos de técnico em Aquicultura e bacharelado em Ciência da Computação para criar um aquário inteligente e automatizado.
O projeto é coordenado pela professora Carina Oliveira e é desenvolvido no LAR, o Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas que funciona no campus. Para montar a primeira versão do sistema, eles contaram com o apoio dos professores Glácio Sousa, que fez a doação de um aquário, e Marcos Scárdua, que disponibilizou os peixes.
Gabriel Rodrigues, que está no quarto semestre do curso técnico em Aquicultura, conta como o aquário funciona. “Nós pensamos principalmente nas pessoas que não sabem como manter um aquário de maneira correta, porque o sistema controla todos os parâmetros, como PH da água, oxigênio, amônia, a quantidade de ração para os peixes. Tudo é feito através do aplicativo”.
Atualmente o projeto está sendo finalizado, graças ao apoio de professores, gestão do campus e de alguns empresários que já demonstraram interesse em adquirir o aquário no futuro. Mas antes de chegar ao mercado a ideia dos estudantes é amadurecer o projeto por meio do programa de Incubadora de Empresas, que passou a funcionar recentemente em Aracati.Além de terem criado um produto que ainda não está à disposição de criadores de peixe, os dois alunos também conseguiram desenvolver um aquário com um custo acessível. Isso foi possível graças à utilização de arduínos, que são placas de programação em software livre utilizadas para desenvolver projetos como o de casas inteligentes.
George Lincoln, que está no quarto semestre do curso de bacharelado em Ciência da Computação, diz que com isso ele e o Gabriel esperam ter uma noção melhor das possibilidades futuras de negócio.
“Na incubadora a gente vai ganhar mais experiência, entender melhor o nosso público. Aí com certeza vamos chegar ao mercado com mais segurança”, diz ele. A primeira versão do aquário inteligente já está exposta à visitação do público no campus de Aracati.
Tribuna do Ceará

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

MASP completa 50 anos de histórias

Cearense Mailson Furtado ganha o Prêmio Jabuti de livro do Ano