Pular para o conteúdo principal

Literatura infantil também deve conter questões sociais, diz escritor

por Folhapress
ss
Edimilson de Almeida Pereira. Escritor e professor. ( Foto: reprodução/facebook )
Autores de literatura infantil deveriam deixar de menosprezar as crianças e começar a produzir livros para elas que agreguem questões sociais, afirmou o escritor e professor Edimilson de Almeida Pereira, em debate na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) neste sábado (29).
Para o autor, a criança é um indivíduo importantíssimo na estrutura social e, por isso, a produção literária voltada a ela não deve ser tratada como nicho. "A criança não pode ser pensada em segmento isolado de uma ordem social complexa. Ela é um elemento importante da constituição da sociedade. Temas que estão na chamada literatura para adulto devem reverberar na produção literária infantil", disse.
A mesa "Ler o Mundo" fez parte da programação da Flipinha e também contou com a participação da escritora e professora Prisca Agustoni. Em um tom acadêmico, mas acessível, os autores discutiram as lacunas da literatura infantil e infantojuvenil brasileira e as possibilidades de ler o mundo a partir de outras linguagens, como a imagética e a oral.
A autora Prisca Agustoni ressaltou durante sua fala a importância do trabalho do artista plástico na construção do livro infantil. Segundo ela, é a partir da imagem que a criança se fascina e faz sua primeira leitura do mundo, ainda antes da alfabetização.
"A leitura é algo que vai muito além da leitura propriamente escrita. É muito importante ressaltar essa potência do artista para convidar a criança a um tipo de decifração do mundo que é anterior à alfabetização", disse a escritora que, assim como Pereira, produz literatura tanto para crianças quanto para adultos.
Os autores também discutiram um dos paradoxos de autores de literatura infantil: livros para crianças e jovens devem divertir ou educar? Para Pereira, uma coisa não exclui a outra. "Divertir-se já é um processo pedagógico de aprendizagem. O modo que você organiza as coisas para ensinar alguém a entender o mundo não tem que ser sisudo, ele pode ser divertido", diz o autor.
Outra dificuldade apontada na produção de literatura infantil é o fato de que existem muitas lacunas na pesquisa da realidade das crianças. Na historiografia dos séculos 16 a 20, segundo Pereira, a criança é tratada como um pequeno adulto, um indivíduo secundário. Por conta disso, a maior parte da produção literária infantil consistia em adaptações e simplificações de livros adultos.
A partir do século 20, começou-se a questionar e pesquisar a realidade de crianças e jovens, mas ainda hoje, segundo o autor, a literatura infantil não se desprendeu completamente da adaptação. "É preciso aprofundar um campo teórico de estudo da literatura infantil. Já passou da hora de pararmos de adaptar textos de adultos para crianças. Nós já temos autores suficientes, bons autores, está na hora de termos mais produção original", disse Pereira.

Diário do Nordeste

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Natal em Natal (RN), a capital potiguar fundada em 25 de dezembro de 1599

Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto 'O Natal em Natal'.
Considerada uma das maiores e mais bonitas do Brasil, a Árvore de Natal instalada no bairro de Mirassol encanta a natalenses e turistas. (Alex Regis/ Secom Natal)
Os moradores da capital do Rio Grande do Norte têm um motivo a mais para se alegrar e vivenciar esta época do ano. Afinal, eles celebram o “Natal em Natal”. Aliás, a capital potiguar recebeu este nome devido a data da sua fundação: 25 de dezembro de 1599. Neste mês, a cidade se reveste de enfeites e de festas culturais, através do projeto “O Natal em Natal”, promovido pela prefeitura municipal. Ao todo, segundo a prefeitura, são mais de 40 eventos que contemplam dança, música, teatro, audiovisual, artesanato, gastronomia e outras manifestações culturais.
Na zona sul da capital, foi acessa, no dia 3 de dezembro,  a tradicional “árvore de Mirassol”, com 112 metros de altura, ornamentada com enfeites nos formatos de …

POPE FRANCIS GENERAL AUDIENCE 2016.06.08

Campus Party 2018 vendeu 30% a mais de ingressos que edição anterior

A feira de tecnologia Campus Party Brasília 2018 foi encerrada hoje (1°), após ter reunido milhares de pessoas em torno de palestras, oficinas e atividades com temas como o uso da tecnologia da computação, robótica, empreendedorismo e startups. Essa é a segunda edição do evento em Brasília, que começou no dia 27 de junho, no Estádio Nacional Mané Garrincha. Antes prevista para acontecer de 30 de maio a 3 de junho, a feira foi adiada para esta semana por causa da greve dos caminhoneiros. De acordo com o diretor da Campus Party Brasil, Tônico Novaes, o evento contabilizou um volume de vendas de ingressos pelo menos 30% maior que a primeira edição da Campus Party em Brasília, realizada no ano passado.  Para Tônico Novaes, a edição no Distrito Federal se destacou pela elevada participação e envolvimento dos que estão no evento.  “Os campuseiros daqui são realmente engajados no conteúdo. Andando por aqui você vai ver todos os workshops e bancadas cheias e a estrutura está bem maior que a …