Livro "Para você não se perder no bairro", de Patrick Modiano, não foge à regra do Prêmio Nobel de Literatura

por Roberta Souza - Repórter
Image-0-Artigo-2273552-1
O escritor francês Patrick Modiano ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 2014
Nem lógico nem absurdo, no meio do caminho entre dois mundos, entre a luz e a sombra. É mais ou menos isso que se quer dizer quando o termo "modianesco" é usado na França. Adotado no meio literário em referência ao escritor Patrick Modiano, ele descreve bem os personagens e situações claro-escuras que este Prêmio Nobel de Literatura (2014) costuma reunir em seus romances. E em "Para você não se perder no bairro" não é diferente.
O livro, editado pela Rocco no ano seguinte ao da premiação da academia sueca, traz exatamente as características mais observadas na obra do francês: elementos de autoficção, protagonistas escritores, a descrição da geografia dos subúrbios e das pequenas cidades francesas, o estranhamento com o mundo moderno, entre outras.
Além disso, o tom sóbrio, mas também hipnótico, e a narrativa em tensão crescente estão em evidência desde o primeiro parágrafo, quando o telefone toca às quatro da tarde na casa de Jean Daragane.
Narrativa
O protagonista, um escritor sexagenário, solitário e já meio esquecido das coisas, começa a ter sua memória estimulada a partir do contato com um casal - Gilles Ottolini e Chantal Grippay. Ottolini é quem primeiro o contata, após encontrar uma agenda de Daragane perdida no chão de um restaurante, na estação de Lyon. Nada afeito a conhecer novas pessoas, o escritor vai contrariado ao encontro com aquele que resgatou seu material perdido. E esse é apenas o começo de uma sucessão de desconfortos pelos quais ele irá passar.
O "bem-feitor" logo revela ter folheado a tal agenda e encontrado um nome que teria lhe despertado curiosidade: Guy Torstel, que ele andava investigando para a produção de um livro, e cuja história estaria ligada a um assassinato na época do pós-guerra na França. Daragane, no entanto, não lembra sequer por que anotou esse nome, até uma sucessão de fatos voltarem a sua memória por insistência de Ottolini, da companheira Chantal e de um dossiê que o primeiro teria separado em suas pesquisas para a escrita deste caso policial.
Aos poucos, lembranças vão sendo reavivadas, e Daragane mergulha em sua própria história, que, anos antes, ele mesmo tinha feito questão de esquecer. Números, ruas, lugares, pessoas - tudo volta de maneira embaraçosa, mas sempre conectada com as buscas de Ottolini.
Espaço-tempo
A fluidez com que Modiano intercala presente e passado, tanto do ponto de vista temporal como espacial, aguça a curiosidade de quem lê, e também aumenta os mistérios em torno da narrativa.
No livro, o protagonista vai da infância à fase adulta, passando pela adolescência e pelo estágio atual, às vezes num mesmo capítulo. Aliás, os capítulos são bem pequenos, fazendo jus a um livro curto, com menos de 150 páginas.
Essa facilidade com que Modiano intercala diferentes momentos da vida de seu personagem pode parecer confusa. E em certos momentos é mesmo. Especialmente se levarmos em consideração a forma como o livro termina, passando a sensação de narrativa mal resolvida.
Real
Vale ressaltar no entanto, que, se fosse diferente, ele perderia seu maior vínculo com o real, já que, em resumo, a história mergulha numa busca do protagonista por si mesmo. E, convenhamos, buscar respostas íntimas não é das tarefas mais fáceis.
Não somos seres lineares, e ainda que pareça, a cronologia dos fatos não contempla nossa totalidade. Sendo assim, a busca de Daragane pode corresponder a qualquer um de nós; com menos emoções e mistérios, talvez, mas ainda assim, uma procura natural, inclusive quando renegada.
Livro

Para você não se perder no bairro
Patrick Modiano


Rocco
2015, 142 páginas
R$19,50
 
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

O Irmão Carlos de Foucauld

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

Memorial do Holocausto lembra 80 anos da Noite dos Cristais em SP

MASP completa 50 anos de histórias

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado