Museu da Fotografia Fortaleza recebe palestra sobre vida e obra da pintora Frida Kahlo, neste sábado (8)

Image-0-Artigo-2265711-1
A artista visual Frida Kahlo, cuja influência e obra serão discutidas pelo viés da fotografia
Frida Kahlo, eternizada como um ícone do surrealismo e do feminismo da década de 50, será o foco do próximo evento que ocorrerá no Museu da Fotografia Fortaleza. Na ocasião, a jornalista e especialista em Gestão da Cultura, Izabel Gurgel, irá coordenar uma palestra sobre a trajetória artística da pintora, inserida na vida e cultura mexicana, a partir da relação dela com a fotografia.
Fernanda Oliveira, coordenadora do Museu, explica que a ideia é mostrar como essa linguagem dialoga com diversas áreas. "Queremos chamar outros profissionais que tenham uma visão de mundo a partir da imagem. O Museu tem uma participação mais atuante na comunidade, então a gente acredita que ele deve participar na construção do conhecimento, fornecendo informações e oficinas", pontua a coordenadora.
Graças à boa receptividade do público com relação aos eventos promovidos no Museu, o local receberá, durante dois fins de semana deste mês, oficinas de fotografia digital. "A gente tem tido um excelente público. Abrimos essa primeira turma da oficina e ela lotou logo, então tivemos que abrir um segundo fim de semana", alegra-se Fernanda.
A relevância do Museu da Fotografia Fortaleza para o Estado também levou à outra conquista recente: o reconhecimento do equipamento como Patrimônio Turístico da Capital pela Prefeitura. O acervo é o segundo de natureza privada a receber a certificação. Em outubro de 2016 o Espaço Cultural da Universidade de Fortaleza (Unifor) recebeu o título por sua contribuição à cultura da cidade através da arte.
Palestra
Intitulada "Um encontro introdutório à vida & obra da pintora mexicana Frida Kahlo", a palestra da pesquisadora Izabel proporcionará ao público uma verdadeira imersão na trajetória dessa icônica personagem histórica.
A conversa terá início às 14h deste sábado (8) e deverá seguir até as 17h. As inscrições são presenciais e devem ser feitas na própria recepção do Museu, custando R$ 50.
Embora Frida seja mais conhecida por suas pinturas e ativismo, são evidentes as contribuições estéticas que a artista deixou em forma de um verdadeiro legado para o universo das artes visuais. "Eles pensaram que eu era uma surrealista, mas eu não era. Eu nunca pintei sonhos. Eu pintei minha própria realidade", dizia Frida.
Era uma mulher considerada à frente do seu tempo e acabou dedicando-se às artes devido a um infortúnio que cruzou sua história: sofreu um trágico acidente enquanto viajava em um bonde.
As múltiplas fraturas adquiridas fizeram com que Frida passasse por 35 cirurgias e, enquanto esteve impossibilitada de deixar a cama, encontrou na pintura uma maneira de expressar suas angústias e frustrações.
Ícone
Frida abandonou o curso de Medicina e passou a compartilhar a mesma paixão do pai pelas tintas e pincéis. Uma de suas obras mais tocantes, intitulada "A Coluna Partida", foi o autorretrato fruto de sua determinação e coragem - apesar das dores e inseguranças causadas pelo acidente.
Ela mesma era, por si só, uma obra de arte: cobria-se de roupas coloridas e flores, tornando-se, anos mais tarde, uma verdadeira tendência no mundo da moda.
Entretanto, a autenticidade de Frida era uma forma de esconder deficiências decorrentes do acidente e da poliomielite que teve enquanto criança.
Se as obras da pintora eram tidas como surrealistas, era porque retratavam a inacreditável resiliência de Frida diante de todas as dores que lhe atravessavam: teve uma perna amputada, amores conturbados, sofreu diversos abortos, lidou com preconceitos e com a depressão.
Embora tratem, muitas vezes, de temáticas inerentes à vida da artista, as imagens produzidas por ela suscitam interpretações convergentes com as necessidades atuais de nossa sociedade.
Não é à toa, Frida eternizou-se através das décadas, despertando sentimentos de identificação e empatia com sua figura e trabalho.
Mais Informações:
"Um encontro introdutório à vida & obra da pintora mexicana Frida Kahlo" dia 8 de julho, às 14h, no Museu da Fotografia. Entrada: R$50,00
Diário do Nordeste

Comentários

Mais Visitadas

Há 50 anos, primeira mulher negra era eleita ao Congresso nos EUA

O Irmão Carlos de Foucauld

Escreve Pe. Jocy - Dom Delgado

MASP completa 50 anos de histórias

Cearense Mailson Furtado ganha o Prêmio Jabuti de livro do Ano